Usina de Letras
Usina de Letras
20 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62410 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22546)

Discursos (3240)

Ensaios - (10450)

Erótico (13578)

Frases (50803)

Humor (20074)

Infantil (5487)

Infanto Juvenil (4811)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1377)

Poesias (140872)

Redação (3320)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6235)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->Nanda redargüi a Frei Dimão se recusa à rigorosa penitência -- 08/07/2011 - 11:49 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Recebi nesta manhã

Um cordel bem encantado

Que você com toda manha

Me viu cheia de pecado.



Penitência cabeluda

Nunca vi igual assim

Deu-me uma dor aguda:

E onde fica meu festim?



Mandou-me para o convento

Onde é tudo rigoroso

Só porque meu pensamento

Foi um pouco buliçoso.



De manhã na abadia

Toca o sino da capela

E assim começa o dia

Com a reza bem singela.



Depois de rezar as matinas

No trabalho esforçar

Pouco mudam as rotinas

Depois volta a rezar.



O anoitecer agoureiro

Dá escuridão na alma

Agarrada ao travesseiro

Só a oração acalma.



Se no convento vive

Só a rezar e trabalhar

Com a tristeza convive

Sem nada poder festejar?



Dessa penitência tô fora!

Sinto muito, Frei Dimão

Aqui tudo se comemora!

Lá ficarei numa prisão.



Vou ficar sem a balada?

E o forró da sexta-feira?

Ficar enclausurada

Toda vestida de freira?



Peço, por caridade

Cancelar a penitência

Apesar da minha idade

Me sinto na adolescência.






Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 9Exibido 439 vezesFale com o autor