Usina de Letras
Usina de Letras
91 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59659 )

Cartas ( 21254)

Contos (13324)

Cordel (10319)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9535)

Erótico (13486)

Frases (47208)

Humor (19419)

Infantil (4619)

Infanto Juvenil (3936)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138766)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5656)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->INÍCIO, MEIO E FIM -- 11/07/2006 - 05:41 (Anselmo Cordeiro de Oliveira) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Não sei mais o que é verdade...

É o que eu digo, e digo tudo...

Terei errado de novo,

Produzindo tempestade,

Neste amor tão absurdo?



Recolhido, feito um pinto,

Encarcerado num ovo,

Não me mexo e fico mudo,

Prá não falar do que sinto,

Já que, em falar, não resolvo.



Minha cabeça dói... Por quê?

Dói de tanto bicar casca,

- Casca dura como um escudo -

Descansa, agora, em mãos juntas...

Abrir a casca prá quê?



Prá enfrentar fria nevasca

Na branca casca e em tudo?

Fiquem em branco as perguntas,

No "prá quê" e no "por quê",

No branco da covardia...



Ficarei – não mais me iludo -

Dentro do ovo assim,

E deixarei a apatia,

Ir se apossando de mim,

Até pôr-me mudo e mouco,



E que importam as respostas

Às perguntas que eu fazia?

Já não importam nem um pouco,

Pois sou grato, de mãos postas,

Liberto do precipício,



ÀquELE em quem tanto creio,

Por não me importar, enfim,

Pelo amor que teve início,

Foi minguando pelo meio,

E que, agora, chega ao fim.



net7mares@oi.com.br

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui