Usina de Letras
Usina de Letras
63 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60342 )

Cartas ( 21288)

Contos (13385)

Cordel (10358)

Cronicas (22275)

Discursos (3191)

Ensaios - (9711)

Erótico (13520)

Frases (48222)

Humor (19544)

Infantil (4823)

Infanto Juvenil (4171)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139323)

Redação (3114)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5804)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->O Nascer do Sol -- 11/01/2004 - 01:52 (Alyne Roberta Neves Costa) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos



Naquele tempo parecia ter o céu um azul mais céu. E as nuvens costumavam brincar como carneirinhos correndo soltos ao vento. Só faltava mesmo o verde de uma colina qualquer.
E ele costumava me acordar antes do nascer do sol para ver os primeiros raios aparecerem do alto do morro.
E me levava em seus braços. Eu, ainda sonolenta, sentia aquela alegria única de ver o mundo amanhecer naqueles braços, meu porto. Tirava-me da cama, sem coberta e eu era despertada pela brisa fria da manhã da vida.
E caminhava comigo ouvido o cocorejar dos galos, a doce melodia do dia que chegava. E não lembro mais de nenhuma viv´alma que presenciava aqueles momentos. Tão meu e dele. Só nós protagonistas. E eu sorria o riso mais aberto do meu coração em flor. Eu sorria a plenitude daquele amor.
Atravessávamos o quintal e o pé de manacá ao lado do portãozinho do fundo parecia dar até logo. E saíamos para desbravar o mundo novo do dia que nascia. Eu vestida de inocência, ele despido de ambição. E chegávamos no morro. Ele me erguia para perto do céu. O sol me abraçava. E a vida me intimava a crescer.
E meu pai, quando me acordava antes do dia nascer. Me mostrava que a vida seria assim... Sempre. Um convite. Uma dádiva. Inevitável fenómeno.
E seus braços me guiavam à sensibilidade. Talvez um batismo no mundo dos sentidos raros. Mas meu pai, ao som do cocorejar dos galos e do canto dos primeiros pássaros, me acordou pro amor. E o nosso amor foi sempre um amor puro, extrato, fina essência, azul de matizes de um céu que amanhece. E até hoje, quando preciso acordar na vida antes da vida amanhecer, sinto-me em seus braços, porto das minhas aflições. Desperto-me com a brisa fria dos recomeços. Costumo sorrir plena, repleta de um amanhecer e mais perto do céu.

Para meu pai, João Roberto
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui