Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
39 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->COMO ALISAR UM PELO ENCARACOLADO -- 19/06/2012 - 11:30 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
COMO ALISAR UM PELO ENCARACOLADO

I

Um rico que ficou pobre
E ao Diabo a alma vendeu,
Recuperou todo o cobre,
Muito mais se enriqueceu,
Porém no dia marcado
Pelo Satã foi cobrado
A entregar o que era seu.

II

No contrato que escreveu,
Ficou tudo declarado:
Que o Diabo era sócio seu,
Porém estava obrigado,
Conforme o atual sistema,
Resolver qualquer problema
Que lhe fosse apresentado.

III

Aflito e desesperado,
O devedor foi falar
Com a esposa do seu lado,
Pedindo para o ajudar
Com alguma sugestão,
Resolvendo-lhe a questão
E do Inferno o salvar.

IV

Mulher foi sempre sem par,
Se o caso é de esperteza;
Tanto na sorte ou no azar,
Sem preço é sua beleza;
Disse, então: -Deixa comigo,
Resolvo este caso e digo
Que viverás na riqueza.

V

O Demônio, com certeza,
Chegou na hora marcada,
Botou as cartas na mesa
E quis a conta acertada;
Nada o marido falou,
Mas a mulher o encarou,
Não se deu por arrogada.

VI

- Proponho-lhe uma charada,
O contrato fala disto,
Há cláusula estipulada
E no meu direito insisto;
Dou-lhe então um pentelho...
O Diabo ficou vermelho,
Exclamando: - O que é isto?

VII

Fui derrotado por Cristo,
Que era Homem de Bem,
Mas nunca eu pensei nisto:
Perder pra mulher também!
De teimar eu não desisto,
Tentarei resolver isto
Com as Mulheres no harém.

VIII

Uma coisa me convém
Dizer a garfo ou colher,
Perco aqui, ganho no além,
Não sou eu algum qualquer;
Esperem-me pra depois,
Enfrentarei vocês dois
Para o que der ou vier.

IX

Respondeu-lhe a mulher:
-Volte aqui novamente
Só quando você tiver
A solução prontamente;
Dou-lhe um pelo enrolado,
Mas o quero esticado
Sem uma curva somente.

X

No fogo, o Cão insistente
Tentava o pêlo esticar;
Só que o pentelho quente
Mais se fazia enrolar
E o Diabo com a voz doce,
Do casal aproximou-se
E resolveu negociar.

XI

A mulher pôs-se a falar:
- Vamos cumprir nossa lei,
Mas se você endireitar
Este aí que eu passei,
Nem por isso me afronte,
No pub tenho outro monte
Restante que não lhe dei.

XII

Disse o Diabo: - Não sei!
Isso é azar demais,
Onde foi que eu errei
Para escutar tantos ais,
Vejo que a mulher é fogo,
Perdi para ela o jogo,
Do inferno não saio mais.

BENEDITO GENEROSO D COSTA
benegcosta@yahoo.com.br
DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 552 vezesFale com o autor