Usina de Letras
Usina de Letras
73 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60342 )

Cartas ( 21288)

Contos (13385)

Cordel (10358)

Cronicas (22275)

Discursos (3191)

Ensaios - (9711)

Erótico (13520)

Frases (48222)

Humor (19544)

Infantil (4823)

Infanto Juvenil (4171)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139323)

Redação (3114)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5804)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Sobrevida -- 31/08/2006 - 15:44 (Ana Mendonça) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Foi tanta as vezes que chamei por você.



Implorei que me ouvisse, não atendeu.



Chorei minha dor, minha agonia.



Senti-me sozinha, perdida.



Recusou tudo que tentei lhe dar,



zombou a pureza de um sentimento maior.



Acabou com minha tentativa de continuar,



continuar te querendo.



Jogou-me no fundo de qualquer coisa.



Que coisa seria essa?



Onde foi que caí?



E cansada,



descobri que estava no fundo de mim,



tudo ficou parado,



minhas lágrimas secaram,



descobri-me vazia e tão cheia de mim.



Levantei-me,



sacudi a poeira da vida



e com uma certa disposição



encontrada enquanto caída,



resolvi caminhar com outros valores.



A vida pode ser bela...



E mais forte, embora fraca,



tento, em mim, me completar.























































Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui