Usina de Letras
Usina de Letras
20 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62477 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50864)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6251)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->VENDO TODOS BRILHANTES DA COROA BRASILEIRO NÃO PASSA FOME. -- 11/04/2013 - 18:53 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O Brasil sempre foi bastante pródigo
De políticos ladrões, picaretas
Que prometem até dar lambretas.
E tais fatos que são bem episódicos,
Também sempre bastante periódicos.
Até hoje nem todo mundo come.
No Brasil onde tem gente com fome.
Disse certo um sujeito de Lisboa:
Vendo todos brilhantes da coroa,
Brasileiro, porém, não passa fome.

Frase acima foi um pouco mudada.
Porém não muda nossa realidade,
Porque mostra bem nossa iniquidade.
Sociedade não vive preocupada,
Mesmo que seja todo dia roubada.
Um governo que com a grana some.
As riquezas que a cada dia consome.
Os políticos sempre numa boa
Vendo todos brilhantes da coroa,
Brasileiro, porém, não passa fome.

Nordestino não é brasileiro
Aqui se vive por teimosia.
Somos vítimas de aleivosia.
Pois a seca, daqui faz um braseiro,
Mata gente, jumento até carneiro.
Animal muitas vezes barro come.
Rato às vezes o povo consome
As promessas são coisas vãs, à toa.
Vendo todos brilhantes da coroa,
Brasileiro, porém, não passa fome.

Acabar com a seca do Nordeste,
Tal promessa vem do tempo do império.
Nordestino vai enchendo cemitério:
Daqui, do Norte, Sul e do Sudeste.
Há também os que morrem no Centro-Oeste,
Porque pouco que ganha há quem tome.
Corrupção com a grana toda some.
Quando não morre à mingua , na garoa
Vendo todos brilhantes da coroa,
Brasileiro, porém, não passa fome.

Mote com base em demagogia,
Que no nosso país sempre impera
E político é só quem prospera.
Porque neste quesito a trapaçaria
Do império veio essa oligarquia.
Os políticos, seus sobrenomes,
São iguais até mesmo no prenome
Roubam, roubam e sempre numa boa.
Vendo todos brilhantes da coroa,
Brasileiro, porém, não passa fome.

Mote e glosa: HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
Baseado na frase de Dom Pedro Segundo:
VENDA-SE TODOS OS BRILHANTES DA COROA
MAS, BRASILEIRO NENHUM PASSARÁ FOME.

HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
FORTALEZA, ABRIL/2013
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 351 vezesFale com o autor