Usina de Letras
Usina de Letras
22 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50861)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140904)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->ENSINO MÉDIO ATUAL VERSUS DE OUTRORA -- 29/05/2013 - 20:30 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O ensino no passado
Não era Fundamental.
Básico também não era.
Científico, Normal.
Não havia Pedagogia.
Professora do Normal.

O ensino do primário
Ia até o Admissão.
De onde o aluno saia
Já extraído fração.
Só ia para o Ginásio
Depois duma seleção.

Na qual somente passava
Quem soubesse Geografia,
História e Português,
Desenho e Geometria.
Também era necessário
Ter boa caligrafia.

Respeita-se o professor
Não havia essa de tia.
Na boa e velha cartilha
Ler o aluno aprendia.
O tal doutor do ABC
Isso também não havia.

No ginásio se aprendia
Regra de três, equação,
Calcular percentual,
De verbo a conjugação
E no curso Científico
Fazia-se Combinação.

Estudavam-se Arranjos
Também Noção de Conjunto.
Química, Física, Matemática,
Biologia e Sub Conjunto.
Do Português se conhecia
Das Figuras ao Adjunto.

Vinte por cento dos alunos,
Desse tal ensino Básico,
Das escolas eles saem
Todos bastante afásicos.
Assim governo, professor,
Aluno compõem um triásico

Que legaliza a burrice
De um bando de doutores;
Que não tem nenhum preparo
Ensino perdeu valores.
Como no mostra o Enem
Uma fábrica de horrores.

No Ginásio se extraia
Máximo divisor Comum.
Há alunos em nossos dias
Que não somam um mais um.
Muitos deles não conhecem
Mínimo Múltiplo Comum.

Não se falavam besteiros
“Como vou estar fazendo”.
Conhecia-se o gerúndio
Também que era minuendo.
O nosso ensino de hoje
Uma “coxa” de remendo. Colcha

Os filhos de hoje em dia
Não são criados pelos pais.
Porque as mães das crianças
Querem ser profissionais.
Também nos filhos não podem
Umas palmadas dar mais.

A pé se ia para a aula,
Sem ter merenda escolar.
Um único benefício
Só meia passagem pagar.
Se reprovado o aluno
Não mais podia estudar

Nas escolas do governo
Que já foram muito boas.
Hoje todas desmontadas
Que ninguém mais se afeiçoa.
A classe média de outrora
A ela cantava suas loas.

Tempo que qualquer aluno
Poderia ser suspenso.
Hoje mesmo um ato grave,
Por mais que seja intenso,
Ficará na impunidade.
Acabou mesmo o bom senso.

Porque qualquer punição
Vira assédio moral.
Nós passamos a punir
Quem quer combater o mal.
Porque no nosso país
A inversão é normal.
Os alunos respeitavam,
Outrora, seus professores.
Muitos alunos são hoje
Verdadeiros matadores.
Já houve até chacina
De colegas, diretores.

Os governos não entendem
O mal que estão nos fazendo.
A droga tomou as escolas
As crianças estão morrendo.
Manifestações por drogas
Tem muitos pais defendendo.


HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
FORTALEZA,MAIO/2013.


Afásico qualidade de afasia. Abstenção de qualquer juízo pela ignorância.
Triásico – composto de três.
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 369 vezesFale com o autor