Usina de Letras
Usina de Letras
20 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50861)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140904)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->SAUDADES DE MINHA ANTIGA FORTALEZA -- 11/02/2014 - 19:35 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Nossa antiga Fortaleza,



Que outrora foi muito bela,



Quanta saudade nos trás,



Quando não havia favela.



Sem violência, sem buracos,



Da vida que existia nela.







Nossa querida Fortaleza



Dos vendedores de tripa,



Que anunciavam seu produto,



Batendo em caixão com ripa.



Quando ainda se vendia água



Nos famosos carros pipa.







Nossa querida Fortaleza,



Dos vendedores de peixe



Com seus produtos nas costas.



De lenha vendida em feixe.



Fígado e cuscuz paulista,



De roupa em almofreixe. (Espécie de mala)







Fortaleza dos famosos



Refrescos de pega pinto,



Lojas Quatro e Quatrocentos,



Abrigo Central já extinto,



Da Girão, da Vox, Lobrás



Que grande saudade sinto.







Casa das Máquinas, Romcy,



Ocapana e Abarama,



Do Magazine Sucesso,



Da Casa Bicho, Alabama,



Helena de Troia, Gontran



Carvalho Borges e Flama.







Das lojas Irmãos Carvalho,



Belas Artes, Damasceno,



Do Kury, Eletro Alencar.



Do seu clima bem ameno,



Dos seus campos de subúrbio



Onde hoje falta terreno.







Dos Cines Fortaleza, Art



Diogo, Samburá, Jangada.



Refresco de pega pinto



Tomado de madrugada



Ali na Praça do Carmo



De ônibus foi parada.







Da Cooperativa Agrícola



Do seu Moisés Pimentel,



Na Miscelândia comer



Um delicioso pastel.



Das alunas do Liceu.



E do Clube do Teteu.







Das fardas das estudantes



Com suas saias plissadas,



Que na Praça do Ferreira



Com vento eram levantadas.



Do ônibus do verdureiro



Às quatro da madrugada.







Nossas tertúlias famosas.



Dos clubes que dão saudades:



Maguari, Romeu Martins,



Uberlândia, Padre Andrade,



Massapeense, Iracema.



Ali perto da Piedade







Tinha o Quitandinha



América, Santa Cruz,



Tirandentes, Terra e Mar,



E ônibus do Serviluz,



Líbano, Comercial,



Panelada com cuscuz.







Clube de Regatas Barra



Do Ceará e o Tiro-Linha,



Secai, General Sampaio,



Dos Diários e Quitandinha,



Tinha também Irupuam



Que era nosso Chacrinha,







Balneário de Mecejana,



CRA e Vilão União,



Grêmio dos Ferroviário.



Que saudades da Dragão.



Clube Carlito Pamplona,



Perto do Bairro Japão.







Nosso famoso Curral



Onde hoje é o Marina.



Bem perto ficava a Cinza.



Tempo bom sem cocaína



Podia andar no Farol



Lá droga hoje domina.







E dos términos de cursos



Quando havia lindas festas.



Tantos bairros esquecidos.



Quem se lembra da Floresta?



Álvaro Weine, Atapu.



E nossas belas serestas.







Lido, Arraial Moura Brasil,



Famoso Alto da Balança,



21 de Janeiro,



Ao som dos Jovens se dança.



Praia de Meireles, Ideal.



Tardes no Parque da Criança.







Parque Americano, Itaoca,



Autran Nunes, Vila Sarita



Os Brasas, Paulo de Tasso



Também Lojas Esquisita.



Quilômetro Oito, Colônia,



No Ceará jogava Ita.







Fortaleza tinha os Gomes,



Pedro Basílio, Lulinha,



Os Amiltons Rocha e Melo,



Carlito no Ceará tinha,



Gildo, os irmãos da Costa.



Meu tricolor de Croinha.







Programa Bola de Meia,



Do José Oli Moreira,



E a banca do Bodinho



Lá na Praça do Ferreira.



Antenas e Rotativas



Com notícias de primeira.







No antigo Abrigo Central,



O Pedrão da Bananada



Um restaurante mantinha.



Também tinha batucada,



Gumercindo e sua charanga



No PV com muita zoada











Saudade da Fortaleza



Do Benzinho e do Bem



Do Lido e do Estoril,



Da Fascinação também,



Da Meia Noite da Oitenta,



Da Leila com seu harém.







Não podemos esquecer



Beco, San Troper, Ladeira,



Da Vó e do Cirandinha,



hoje tem Beco da Poeira.



Do famoso Senadozão.



Pirata só segunda-feira.







Muito menos da mudinha.



Que ganhava capital,



Fazendo ponta na praia



Ali bem perto do Ideal.



Se pesar na Osvaldo Cruz,



Um mudo fazia sinal.







Do nossa café Walcan.



Saudade da Fortaleza



Outrora muito tranquila.



Hoje violenta ainda bela.



Embora os seus subúrbios



Estejam cheios de favelas.















HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO



FORTALEZA, FEVERIRO/2014.



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 328 vezesFale com o autor