Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
69 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59134 )

Cartas ( 21236)

Contos (13113)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46517)

Humor (19281)

Infantil (4460)

Infanto Juvenil (3726)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->NO BIGODE DO GAÚCHO -- 25/05/2014 - 17:44 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. NO BIGODE DO GAÚCHO

I

Um certo casal de chatos
Certamente conhecidos,
Eles dois enchem o saco
Das esposas e maridos
E também dos semelhantes,
Os infiéis casais amantes
Que se amam escondidos.

II

Traidores e traídos
São as vítimas dos chatos
Que lhes visitam lá onde
E quando houver contatos,
Parasitas sanguessugas
Assemelham-se às pulgas,
Piolhos ou carrapatos.

III

Aqui vou direto aos fatos
Que lhes proponho narrar,
Sem delongas e demoras
E nem tampouco julgar
Se houve infidelidade,
Ou se foi casualidade
Este episódio sem par.

IV

À tarde ao crepuscular
De um dia frio de inverno
Chegou um casal de chatos,
Jurando amor eterno,
À porta de um cinema
No auge da paixão estrema
Entre o céu e o inferno.

V

Chato de gravata e terno
E a chatinha vestida
No seu casaco de pele,
Por baixo a saia comprida;
Combinaram-se os dois
De se encontrarem depois
Ali mesmo na saída.

VI

A fila estava comprida,
Pois o filme era famoso,
Ali os chatos abraçados
Um ao outro atencioso
Entre afagos e beijinhos
E acariciantes carinhos
Formavam um casal fogoso.

VII

Os chatos querem repouso
Num lugar bem aquecido,
Assim logo que adentraram
Em mais um Cine escolhido
Acertaram o de praxe,
Por mais estranho que ache
O espectador aturdido.

VIII

Falou o chato marido
Pra sua esposa chatinha:
“Estás vendo aquela loira
Sentada na quinta linha,
Com ela escolhi ficar
E tu irás com o par,
Negão da mesma rainha."

IX

Segundo a deusa madrinha
A sorte é uma bancarrota,
E ela acerta o seu alvo
Na montanha ou na grota,
Mas escolhe a cada qual,
Entre o bem e o mal,
A vitória ou a derrota.

X

Afoito e qual marmota,
O chato macho invadiu
A coisa da linda loira,
Achou bom e até dormiu,
Enquanto a sua chatinha
Acariciava e entretinha
O negão no qual buliu.

XI

O filme o casal não viu,
Os chatos acharam chato
Aquela Tropa de Elite,
Que foi o maior barato;
Enquanto o chato dormia,
A sua chatinha saía
Pela porta do Teatro.

XII

Ela fiel ao contrato
Ficou postada na porta
Daquele enorme cinema,
Quietinha e quase morta
Com saudade do parceiro
E o beijo do companheiro,
Que chateia e conforta.

XIII

Dormindo mal e absorta,
Durante um mês esperou
Aquele chato marido,
Que até enfim chegou
Com uma desculpa estranha
E com franqueza tamanha
À sua chata se explicou.

XIV

Ele dormiu e sonhou
Com paraísos risonhos,
Teve também pesadelos
Nos infernos mais medonhos
E estas são suas palavras:
“Enquanto tu me esperavas,
Meus dias foram tristonhos".

XV

"Em meu sono eu tive sonhos
Em que fui santo e bruxo,
Mas a ti peço perdão,
Por ter me dado ao luxo
De acordar com uma febre
Na capital Porto alegre
No bigode de um gaúcho".

BENEDITO GENEROSO DA COSTA

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=GENEROSO
Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 101Exibido 322 vezesFale com o autor