Usina de Letras
Usina de Letras
27 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->O MAUSOLÉU E OS DOZE BOIS -- 14/12/2014 - 12:37 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Bastante debilitado
E já à beira da morte
Pra não depender dos outros
Entregue à própria sorte
Um grande senhor, idoso,
Resolveu fazer aporte.

Pra fazer seu mausoléu
Chamou toda a família
E fez seu testamento
Deu casa, terras, mobílias.
De fora ficaram uns bois
E um pé de buganvília.

Assim que o velho morreu
Começou a confusão.
Como eram várias filhas
E somente um varão
Este juntou logo os bois
À parte do seu quinhão.

E aos pés do morto disse
Que faria um mausoléu .
Mas o tempo foi passando
Cova foi pro beleléu.
E o dinheiro dos bois
Ficou com filho, incréu.

E a mãe que já morrera
Foi enterrada com seu bem
Numa cova muito simples,
Uma ama-seca também
E com factótum da casa,
Que há muito foi pro além.

A tumba muito pomposa,
Desejo de um moribundo,
Acabou. Com bois do morto
O filho levantou fundos.
Aumentou bem seu quinhão.
Tornou-se rico e fecundo.

Mas o tempo foi passando
Sem a promessa cumprida.
Filho e irmãs se casaram
Família ficou sortida.
O filho só teve filhas,
Que não eram margaridas:

Valentes e bem zoadentas,
De parentesco ofídico.
O filho também feneceu.
E de modo muito acídico
Filhas disseram à dona
Do tal túmulo fatídico:

Agora vamos construir
O túmulo prometido.
Mas para que seja feito,
Terão que ser removidos
Os restos da ama-seca
E dum negro enxerido.

Do outro lado porém,
Havia grande advogada
E prima das jararacas,
Que não se fez de rogada,
E mandou dizer às primas
Que era bem educada,

Também nas suas veias havia
O sangue de jararaca.
Se tivesse confusão
Ela metia o pé na jaca
Da cova as pessoas queridas
Não seriam retiradas.

Que ela ia fazer o túmulo.
E a mancha do pai de vocês
Nunca será retirada.
Túmulo farei num mês.
Pra fazer isso não vendo
Uma galinha pedrês.

Mancha pelos doze bois
Será pra sempre guardada,
Na lembrança da família:
Do velho à garotada.
Quem roubou os bois do pai
Não é digna nem honrada.


HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
FORTALEZA,DEZEMBRO/2014
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 270 vezesFale com o autor