Usina de Letras
Usina de Letras
31 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->ALGUMAS PALAVRAS FORA DE USO -- 22/02/2016 - 20:58 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Todas as línguas da Terra,
Organismos muito vivos,
Estão sempre em mutação,
Em um processo criativo.
Para melhor compreensão
Desse mundo seletivo.

Onde a espécie humana
Faz a sua grande história.
Do processo de criação
Não terá escapatória.
Ainda que algumas palavras
Não se fixem na memória.

Umas ficam para sempre
Outras logo vão embora.
Pois no campo das palavras
A criatividade aflora.
Muitas palavras das línguas
Já levaram passa-fora.

Motorista marruá,
Do volante não é artista,
Faz manobras ariscadas
Porém derrapa na pista.
E quer levar na boleia
Mulher com pernas à vista.

Quem queria se mostrar
Chamava-se expelicute,
Ou também de saliente.
Mas isso não se discute,
Saliente talvez doutro
Significado desfrute.

Birrento aquela pessoa
Sempre bastante insistente.
Manda-se pegar o beco
Pra sumir de nossa frente.
Variando é quem não tem
Mais juízo suficiente.

Quem tem os olhos trocados
É chamado de caraolho
E também podia ser
Conhecido por zarolho.
Não pode ser confundido
Como sujeito roncolho.

Menina descabaçada
Passava a ter mau fama.
Xexo quando não se paga
A mulher depois que a ama,
Após passar toda noite
Com ela numa boa cama.

Frequentava academias
Os famosos marombeiros.
Tirar coco não é mesmo
Que subir em um coqueiro.
Quem gosta de fazer escândalos
Chamamos de bonequeiro.

Quem chutava muito forte
Sempre dava um tubão.
Diziam mesmo que o cara
Nos pés tinha um canhão.
Aqui no Ceará bozó
Era jogo de gamão.

Não vale uma sibazol
Expressão muito usada
Se a pessoa não prestava
Assim ela era comparada.
A um famoso remédio
Que não servia pra nada.

Bota sebo nas canelas,
E correr em debandada.
Depois de dar bacurejo
No dinheiro da negrada.
Para ir tomar cachaça
Ou beber uma bicada.

Borracha era a menina
Bem feita das pernas grossas.
Quem tem dor de cotovelo
É por que está na fossa.
Buchada era time ruim.
Coisa cearense, bem nossa.

A pessoa que fala muito
Sirigaita é chamada.
Ir parar no xilindró
Pessoa presa, enjaulada.
Moça velha solteirona
Vitalina aperreada.

Podes crê termo usado
Por cantor da jovem guarda.
Quem estava com curuba
Tinha coceira. E não sarda.
Nas escolas não havia
Uniformes, porém fardas.

Jogador em impedimento
Só jogava na garapa.
Para coisa muito grande
Exclamava-se: ou lapa.
Dar uma chapoletada
É o mesmo que uma tapa.

Quem hoje come omelete
Antes comia malassada.
Vitamina de banana
No Ceará é bananada.
E aqui nós também só
Tomamos abacatada.

A anágua e o corpete
Vestimentas femininas.
Ceroula outrora era
Atuais cuecas masculinas.
Hoje serve pra levar
Pixuleco ou propina.

Galocha era cobertura
Para pares de sapatos.
Pixote não era moleque,
Mas sim bobo, um pato.
Quem alterava idade
Era chamado de gato.


HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO
FORTALEZA, FEVEREIRO/2016
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 376 vezesFale com o autor