Usina de Letras
Usina de Letras
42 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Os "soviéticos" querem tirar o poder de Lula -- 11/08/2004 - 16:12 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Os `soviéticos´ querem tirar o poder de Lula

Arnaldo Jabor

Este governo do Lula tem duas cabeças: uma para o dia, outra para a noite. De dia, mostra-se liberal, democrático, ouvindo as opiniões da sociedade, cria conselhos de cidadania, de profissionais, mas, quando cai a noite, com suas corujas e morcegos, vultos embuçados se reúnem na sombra dos ministérios e gargalham como bruxas de disco infantil: "Há... há....eles caíram na armadilha... Democracia, o cacete!... Vamos controlar tudo, vamos `reeducar´ esse governo burguês, porque o Lula está inteiramente dominado pelos neoliberais!"

O "aparelhamento" que Lula patrocinou está se virando contra o feiticeiro. Lula está sendo contestado dentro do poder e não mais pelos radicais Baba ou Heloísa Helena. Mais "tarefeiros" e contundentes que esses "bakunistas" que, ao menos, tinham a cara no sol, são os infiltrados nas sombras do governo. O PT no poder age contra o próprio poder. Estão injetando veneno para revolucionar o poder por dentro. Esse episodio das leis do audiovisual é apenas um indício da trama.

Fomos falsamente consultados pelos "soviéticos" do MinC. Tentaram nos seduzir com sorrisos planejados, fingiram pedir opiniões à TV e ao cinema e pimba...

Voltaram com um documento exatamente oposto a tudo que foi combinado. Na cultura, continua vivo o desejo de programar o pensamento e a criação, essas duas atividades suspeitas de "individualismo pequeno-burguês".

E isso está ocorrendo na noites de Brasília, e não é só na cultura.

O combate que se trava dentro do governo não é mais desenvolvimentistas versus monetaristas. Nada disso. O debate é ideológico e não programático. Depois do show histérico dos "babás" e "heloísas", depois do show dos marxistas da USP, tristinhos com o Lula de seus sonhos infantis, agora, chegaram os "profissionais" do bolchevismo, com missões muito precisas para "mudar os rumos do operário vacila nte que é o Lula". Lula era considerado, em 1980, "um primitivo que pode ser útil para o marxismo". Voltaram a achar isso.

Como estamos vivendo as dificuldades concretas de sair de um modelo económico restritivo para um desenvolvimento sustentado, que é um enigma hoje em qualquer país do mundo, os "soviéticos" estão ficando impacientes e tentados a criar um atalho para um modelo mais "aventureiro". O desejo de controle social se reacende. Surge uma visível recaída da velha doença infantil que rondou sempre o leninismo.

Os jornalistas têm denunciado o chamado "aparelhamento" do Estado, o que significa infiltrar membros do PT em toda parte, porque no imaginário do partido eles são "melhores", "revolucionários", etc... E isso tem sido visto como um cacoete risível do PT; mas a coisa está ficando grave.

Há todo um panorama estratégico para mudar o governo de Lula ideologicamente.

José Dirceu comanda este plano de ocupação ideológica da máquina pública, depois de brevemente interrompido pelo "contratempo" do Waldomiro.

Luís Gushiken, de origem bancária, aparelhou todo o sistema dentro da Previ, do Banco do Brasil e do Banco Central. Provavelmente, as ridículas mixarias levantadas contra o Henrique Meirelles foram fuçadas por zelosos bancários petistas e jogadas na imprensa. E, ainda por cima, ganharam a risível adesão dos tucanos vingativos, que assumem a responsabilidade como "oposição" do que é uma fina sabotagem de dentro do próprio governo. PSDB e PFL caíram no "conto bolchevique".

Lula continua hesitante, tolerando as permanentes desobediências de Carlos Lessa do BNDES contra o excelente ministro Furlan, pois ele sabe que Lula não terá coragem de enfrentar os gritos e sussurros lacrimosos de Maria da Conceição Tavares, se Lessa for enquadrado. No Ministério do Desenvolvimento Agrário, temos o nosso Rossetto, que é braço da Pastoral Operária, pagando passagens para o João Pedro Stedile, da Pastoral da Terra, que desafia impunemente o governo, com sua formação pelos bispos do idealismo cristão alienado. Diante das imensas vitórias do ministro "burguês" Roberto Rodrigues, que faz o agronegócio crescer 9% de seis em seis meses, além das conquistas na OMC, eles não podem fazer muito, deixando a condenação do "agribusiness capitalista" para o panfletário de Deus, D. Tomas Balduíno.

Outro indício espantoso de fanática sovietização é a recente demanda dos jornalistas petistas que controlam a Fenaj (Federação Nacional de Jornalistas), pedindo que lhes cortem a própria cabeça, pedindo censura, pedindo limites, numa espécie de masoquismo revolucionário em busca de uma imprensa calada.

Vemos também o desejo do Executivo de evitar que o Ministério Público tenha poderes de investigação, para que não aconteçam mais "revelações" desagradáveis ao "processo revolucionário" como o caso Waldomiro ou dolorosas verdades da morte de Celso Daniel. Vemos as estatais controladas pouco a pouco pelos petistas, numa desmontagem da competência pela ideologia.

Esses sintomas, do controle da imprensa e da cultura, mostram que o chamado "aparelhamento" já está produzindo ideologia e ação, não apenas empreguinhos e pequenos poderes de cabides. Já existe no ar uma arrogància e sensação de intocabilidade como vimos em declaração desse Pizzolato na "Folha", rindo da jornalista e dizendo que "já comeu torresmo com muito mais cabelo", diante das acusações de verbas destinadas para shows em benefício do PT.

Para esse "soviete" clandestino, o inimigo principal não é mais o imperialismo como nos meus tempos de estudante, quando vi muitos desses poderosos de agora discutindo as mesmas abstrações sectárias que ainda praticam hoje. Para eles, os inimigos são os sensatos guardiães do poder macroeconómico. O inimigo principal é o Palocci.

Rola um perigo de "chavismo" no horizonte. Estamos mandando apoio a esse caudilho porra-louca na Venezuela. Está começando uma "revolução dentro da revolução" neste governo. Os "soviéticos" querem tomar o Palácio do Planalto, como em 1917. O ridículo é que já estão dentro. Vão no máximo produzir um populismo de esquerda que quebrará o pais e o levará para um populismo de direita. Sempre fizeram isso.




Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui