Usina de Letras
Usina de Letras
24 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Uróboro -- 02/11/2007 - 09:48 (Elpídio de Toledo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Clic aqui: A árvore caótica



texto









Um ano, um anel de douradas estações,

reinaugurações de pessoas e coisas que jovens fazem,

execuções que jovens fazem de outros e outras, terminações,

mas o canto é eterno, palavras nunca jazem.



Numa vida, quantos anos, quantos anéis,

quantas reinaugurações,

quantos foram os papéis,

quantas terminações?



E os anéis prosseguem,

vão e voltam, ora pálidos, ora cheios de fulgor;

que me reinaugurem, que me neguem,

os que são do meu mesmo teor.



Anéis dourados, cheios de energia,

girando em cada parte forte,

dando forma, beleza, saúde e alegria;

nataliciamente, redefinem meu norte.



Para Mnemosyne, um museu,

tumbas de não renováveis;

partituras para a lira de Orfeu,

necessárias em sonhos notáveis.



E que os anéis se reatem,

venham e voltem, ora pálidos, ora cheios de fulgor;

que me reinaugurem, não me matem,

os que são do meu mesmo teor.









Veja mais, clique aqui:==>>> Elpídio de Toledo





Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui