Usina de Letras
Usina de Letras
51 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59672 )

Cartas ( 21255)

Contos (13340)

Cordel (10321)

Crônicas (22226)

Discursos (3170)

Ensaios - (9538)

Erótico (13486)

Frases (47225)

Humor (19422)

Infantil (4629)

Infanto Juvenil (3942)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138797)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5662)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->O CERRADO -- 15/12/2007 - 15:35 (ANTONIO MIRANDA) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
CERRADO



Poema de Antonio Miranda





Antes era o Cerrado

desterrado

no planalto insondável

ou indomável,

era a vastidão ondulante

e enorme. Inescrutável.



Informe a terra aos seus desígnios,

buritis errantes sobre os ermos

charcos isolados,

plantados sob nuvens passageiras.

Nuvens como plumages derradeiras

chovendo a intervalos.



Interstícios, vestígios vegetais.



Redemoinhos elevam-se

nos horizontes minerais

sinais montes trilhas.

Jamais.



Um resto de umidade

no ar,

flores secas

queimadas

lambendo horizontes

reiteradamente.



Do alto desde Planalto Central

mil vertentes, entranhas,

cavernas de luzes escondidas,

animais.



Dessas águas emendadas

nas direções dos pontos cardeais

em demanda de todos os brasis.

Infinitos.



Riachos temporários, subterrâneos,

Pedregosos, resvaladouros, solitários.

Solo de bandeirantes,

retirantes.



Dos encontros impossíveis,

das monções e entradas ancestrais,

dos refúgios e abandonos.

Haveremos de rever

a sua rochosa ossatura,

registros prematuros de Varnhagen.

Visões e revisões

Geopolíticas.

Sertões.



Nesses paralelos de mel e de leite

da Terra Prometida.

Nos confins de serras cristalinas,

meridianos estivais,

paisagens marinhas de artifícios,

como ondas petrificadas,

sacrifícios.

Passagens nacionais

em todas as direções:

tropeiros, mascates,

garimpeiros.

Passa um, passa boiada,

passa tempo

cavalhada

cavaleiros coloniais.

Goiás. Brasil.





Extraído da obra CANTO BRASILIA. Brasília: Thesaurus, 2002.

LEIA OUTROS POEMAS ILUSTRADOS DO AUTOR EM

www.antoniomiranda.com.br

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui