Usina de Letras
Usina de Letras
49 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59675 )

Cartas ( 21255)

Contos (13343)

Cordel (10321)

Crônicas (22226)

Discursos (3170)

Ensaios - (9538)

Erótico (13486)

Frases (47228)

Humor (19421)

Infantil (4629)

Infanto Juvenil (3943)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138798)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5663)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Tristeza muito mais minha do que de Sócrates -- 16/05/2007 - 12:59 (Alvaro Nascimento Vieira) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Tristeza muito mais minha do que de Sócrates
==================================

Ah... o que dizer? Sócrates... Grande homem, exímio pensador, o mais belo exemplar da natureza humana em toda a sua simplicidade e benevolência! Triste é pensar em Sócrates...

Sócrates que foi grande, que pensava e falava alto. Que compartilhava todo o seu conhecimento com os outros e que negava qualquer título a ele conferido. Que nunca aceitou ser chamado de “mestre”. Que, em grande parte, contribuiu para a redução do pedantismo de toda uma época, demonstrando àqueles que pensavam ser sábios toda a ignorância que possuíam. Sócrates que pregava não cuidar do corpo e das riquezas, mas, sim, da alma. Que dizia ser “a temperança o cimento da virtude”, preocupando-se durante toda a vida com essa questão, procurando avaliar as diversas causas que levavam um homem a ser ou não ser virtuoso. Que defendia a honestidade, recriminando uma pessoa que dizia ser ou ter mais do que realmente era ou tinha. E que, tendo essa honestidade por base, constituía sua postura política, preocupando-se, na recomendação da ocupação de um posto político, com as finalidades efetivas do aspirante a este posto e jamais com outros motivos. Que, independente de qualquer governo dava à sua consciência maior atenção. Sócrates que facilmente se privava de coisas consideradas essenciais, tamanho o desapego para com o dinheiro e a matéria em detrimento do espírito. Que acreditava serem os amigos a maior riqueza que alguém pode almejar e que, mesmo sabendo que nada sabia, conhecia os outros mais do que estes conheciam a si próprios. Sócrates. Espécime modelo para toda a sua espécie que, por fim, preso e condenado, injustamente, à morte, apenas por proferir o bem quando todos são maus, preferiu – serenamente – morrer a abandonar seu conceito de justiça, verdade, bondade e virtude.

Triste é pensar em Sócrates... Triste é pensar em Sócrates, quando cujas fantásticas características se deseja exaltar ao conversar com alguém e, logo ao início do diálogo, tem-se como resposta:

- Sócrates? Ah, sim, irmão do Raí?!?!?!
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui