Usina de Letras
Usina de Letras
21 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50861)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140904)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->PAQUERANDO UMA COCOTA -- 01/01/2020 - 13:30 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

As línguas são organismo

Em constante mutação

Palavras novas são criadas

Enquanto as velhas vão

Muitas até mesmo mudam

A sua significação.

 

Neste pequeno cordel

Certas gírias esquecidas

Serão aqui relembradas

Algumas serão aprendidas

De forma muito simples

E talvez até divertida.

 

Estou flertando uma gata

Uma bonita cocota.

Que inclusive jácute; foi

A rainha da patota.

Se não der pé, fico grilado

Ouvindo muitas lorotas.

 

O flerte é um barato

Que estou curtindo à beça.

Balanço na corda bamba

Pois sou liso e sem caleça

Se surge rico, boa pinta

Talvez ela me despeça.

 

Não vai ser muito bacana

E acabo ficando biruta.

Por que não sei como

Vou enfrentar essa luta.

Por isso com ela tenho

Que ser legal, bem batuta.

 

Vou comprar beca bonita,

Não ser chato de galocha.

A gata é espilicute

Pra não ser chamado brocha

Vou fundo, mas com cuidado

Pra não comer a cabrocha.

 

Virgem, menor de idade

Não pode ser deflorada.

Se isso acontecer

Depois de descabaçada

Dácute; casamento na Polícia

Cabra entra em enrascada

 

Se o bode não vier

É sinal de gravidez

Se o sujeito não casar

Vai direto pro xadrez.

Aí é que tudo piora

E se lasca duma vez.

 

Vai ficar borocoxó

Por causa da traquinagem.

Que às vezes pode dar

Chamada de reportagem

E aguentar da patota

Tudo que é sacanagem.

 

Para sair da cadeia

Se não houver casamento

Muito tutu vai gastar

Pra deixar de ser jumento,

E como rabo de burro

Vão chama-lo mau elemento

 

Pode aparecer um rácute;bula,

Ou outro qualquer garapeiro,

Com um bonito carango

Pra soltar o prisioneiro.

Mas é preciso cuidado

Pois hácute; muitos marreteiros.

 

O caldo ficou mais grosso

Porque nasceu um bruguelo.

Aí do rabo de burro

Aumentou mais seu flagelo.

E ele se lascou mais ainda

Todo de verde amarelo.

 

Para sair da cadeia

Um chofer foi contratado

Para empreender uma fuga

Mas cara era amarrado,

Motorista marruácute;,

E deixou o carro atolado.

 

Ambos foram agarrados

Levados pro xilindró

Lácute; vão passar muito tempo

Tirar tutu do mocó

Gastar pra sair da cadeia

E não queimar o fiofó.

 

Henrique César Pinheiro

Fortaleza, dezembro/2019

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 267 vezesFale com o autor