Usina de Letras
Usina de Letras
23 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62477 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50864)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6251)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->CHUVA DE DESONESTIDADE -- 01/05/2020 - 06:25 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

O cordel tem pé quebrado

Porém peço mil desculpas

Que não redimem minha culpa

Mas por ser tão adequado

Tem que ser aproveitado

Aqui só vemos maldade

Coisa da humanidade

De gente que só cultiva

E também muito incentiva

Chuva de desonestidade

 

Sempre com suas patifarias

Tendo povo por cobaia

Enganado por essa laia

Que usa uma pandemia

Acabam com economia

Na maior leviandade

Povo com passividade

Busca uma salvação

Porém só encontrarão

Chuva de desonestidade

 

Do poeta Flácute;vio Leandro

Modifiquei o seu mote

Aqui bandido dácute; bote

Pois é terra de malandro

Que usa todos os meandros

E a sua perversidade

Também de muita falsidade

Para tomar nosso bem

Porque aqui só se tem

Chuva de desonestidade

 

 

HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO

FORTALEZA, ABRIL/2020

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 322 vezesFale com o autor