Usina de Letras
Usina de Letras
25 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62475 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6250)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->FALTA DE MEMÓRIA DE NOSSO POVO -- 01/01/2021 - 17:18 (HENRIQUE CESAR PINHEIRO) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Você não precisa ser

O dono de um castelo

Nem membro duma dinastia

Se não for pé de chinelo

Saberácute; que nesta vida

Para tudo hácute; um elo

 

Que você é o guardião

Do legado positivo

Deixado por desconhecidos.

Bem do povo exclusivo

Este tesouro herdado

Deverácute; ter seu cultivo

 

Esse patrimônio de valores

Que chamamos de história

De cada povo mostrando

Suas tradições e suas glórias

Deve sempre ser preservado

Pois reflete sua trajetória

 

Assim como nosso corpo

Sempre em evolução

Dele estamos cuidando

Fazendo manutenção

O patrimônio de um povo

Também tem sua função

 

Porém aqui no Cearácute;

Não mantem suas tradições

E em nossa capital

Destruíram as mansões

O poder público acaba

Tudo sem explicações

 

E essas alterações

Afetam nossa memória

Não fica nenhum vestígio

Pra contar nossa trajetória

E todo mundo esquece

Do Estado as suas glórias

 

Por conveniência politica

Bairros tem nome mudado

Todas as praias de Fortaleza

Tiveram nome englobado

Lido, Nácute;utico e Diácute;rios

De Beira-Mar é chamado

 

Da antiga Volta da Jurema

Não temos nem mais lembrança

Virou também Beira-Mar

Como toda a vizinhança

Sumiram com o Tirol

E com o Alto da Balança

 

A Aldeota estácute; sumindo

Que foi feito do Japão?

Dias Macedo Mata Galinha

Tudo virou Castelão.

O antigo Atapu

Agora é São João.

 

O Vinte e Um de Janeiro

E o Parque Americano

Junto com o Quitandinha

Saíram do cotidiano

Nosso Senhora das Graças,

Colônia sumiram hácute; anos.

 

O Serviluz e o Farol

Como o Parque Araxácute;

Hácute; muito tempo sumiram

Junto com Parque Juácute;

Quilômetro Oito, Itaóca

Campo do Pio jácute; não hácute;.

 

Estação de Antônio bezerra

Conrado Cabral, São Gerardo

Do bairro Couto Fernandes

Bairro não muito galhardo

Arraial Moura Brasil

O Curral era um fardo

 

Não hácute; mais o Autran Nunes

Nem o campo do Cocorote.

Acabou o Alto do Bode

Mondubim saiu do xote

Lagoa do Opaia, Beira Rio

Deixaram os  holofotes

 

E a história do estado

Sempre anda na contramão

O antigo Maravilha

Virou Parque Parreão

A antiga Vila do Sargento

Acabou de ir pra o chão.

 

HENRIQUE CÉSAR PINHEIRO

FORTALEZA, DEZEMBRO/2020

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 197Exibido 349 vezesFale com o autor