Usina de Letras
Usina de Letras
54 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59578 )

Cartas ( 21248)

Contos (13286)

Cordel (10315)

Crônicas (22226)

Discursos (3167)

Ensaios - (9520)

Erótico (13500)

Frases (47120)

Humor (19398)

Infantil (4588)

Infanto Juvenil (3888)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138645)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2431)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5640)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cordel-->O BÊBADO E O FIM DO MUNDO -- 01/10/2021 - 21:52 (Renato Souza Ferraz) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

O FIM DO MUNDO

Renato Ferraz

 

Disseram a um bêbado que o mundo ia se acabar.

Ele era desses que perambulam pela rua, sem ter onde morar.

Correu desesperado, entrou logo em um bar.

A primeira pessoa que viu, pediu uma garrafa de cana para tomar

Ganhou na insistência, depois que começou a chorar   

O pensamento vivia sempre confuso, mas tentou raciocinar,

Para assistir o fim do mundo, teria que beber devagar

A sua maior preocupação era morrer sem a garrafa secar

Resolveu então que iria pequenas doses tomar

Queria ver de olhos abertos como seria o mundo acabar

De repente alguma coisa do passado começou a lembrar

Seu pai morreu muito novo, também bebia sem parar

Mas outras coisas da vida, nada conseguia lembrar

A memória mais recente era das últimas calçadas de bar

Queria em seu último dia de alguma saudade boa, lembrar    

Havia consumido metade da garrafa, viu um anjo chegar,

Sorrindo de asas abertas, parecia vir lhe buscar

Alegrou-se, será um sinal, ele veio mesmo me salvar?

Ouviu várias vezes que no último dia Jesus iria voltar

E que daria preferência aos bêbados na hora de levar.

Lembrou o trecho de uma oração, e começou a rezar

Sentia-se emocionado saber que iria ver o mundo se acabar

Falava alto, cantava, gesticulava, depois pôs-se a chorar

Outros anjos chegaram e ao seu redor puseram-se a cantar

Um vulto passou rápido, reconheceu a figura de Jesus passar.

Tentou correr atrás, mas não conseguiu se levantar

Jesus estava sério, temeu que viesse com ele brigar.

Tamanha foi a surpresa, morreria feliz, ele veio lhe abraçar

Fechou os olhos e em coma alcoólico veio a desmaiar

Esse foi mais um dos porres que esse pobre veio tomar

Acordou no hospital em dúvida se o mundo acabou ou ia acabar  

Que foi abraçado por Jesus, disso conseguiu lembrar.

Sua esperança era que após a morte tudo fosse mudar

Quem era pobre ficaria rico, sua vez estava por chegar

Certeza não havia, ninguém voltou para confirmar  

Esse foi o delírio de um alcoólatra que eu ouvi contar

Se exageraram ou não na dose, eu não posso confirmar.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 1Exibido 65 vezesFale com o autor