Usina de Letras
Usina de Letras
69 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60373 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22278)

Discursos (3194)

Ensaios - (9718)

Erótico (13520)

Frases (48265)

Humor (19557)

Infantil (4831)

Infanto Juvenil (4183)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139381)

Redação (3120)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5813)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
cronicas-->Pum no elevador -- 15/03/2005 - 15:56 (Antonio Jurandir Pinoti) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Pum no elevador






Não há situação mais embaraçosa para uma pessoa do que estar num elevador lotado quando alguém solta um traque. Não daqueles ruidosos que identificariam o autor da ventosidade anal, mas sim um daqueles sorrateiros e fétidos que na hora contaminam o ambiente. Aliás, ao que me consta, a literatura especializada não registra a ocorrência de puns sonoros dentro de elevadores.

Se entre os passageiros houver mulheres, então o constrangimento é quase mortífero para os homens. As mulheres, creio, passam pelo mesmo vexame diante dos homens. Tão logo a fedentina se espalha no ar, o silêncio oprime feito uma mão invisível que nos aperta o pescoço. Sobre as cabeças paira uma culpa generalizada, como se todos fossem responsáveis pelo malcheiroso atentado.

O tempo não passa, e o elevador, quer esteja descendo, quer subindo, parece não sair do lugar. O desejo de todos é um só ― sumir, desaparecer. O suor começa a surgir na testa e logo toma conta do rosto inteiro. Acho até que ninguém pisca. Não tenho certeza disso porque jamais um olha para o outro ao vivenciar essa traumática experiência.

Se houvesse mais solidariedade e franqueza entre os homens, o autor do constrangedor pum deveria incriminar-se publicamente. Dizer algo assim como "perdão, foi um ato involuntário". Ou melhor, "desculpem-me, não deu tempo de sair". Mas, principalmente na esfera da ventosidade anal, a humanidade é egoísta. O homem é até capaz de confessar um crime cometido dentro do elevador. Mas um público e inaudível traque, ele nunca admite; leva-o para o túmulo.

Não pretendo ficar só no campo do mero relato dos malefícios do pum escondido. Deixo aqui a idéia que tive para impedir o sofrimento que essa involuntária e danosa necessidade fisiológica causa às pessoas. Sugiro que se promulgue uma lei que obrigue os síndicos de prédios a afixarem nos elevadores uma placa com o seguinte aviso: "Seja educado e não cause constrangimentos. Antes de entrar consulte seu intestino."

Sim, claro, como se trata de um remédio preventivo eficaz, já patenteei minha idéia. Pretendo vendê-la a qualquer vereador interessado no bem-estar dos cidadãos, principalmente dos ascensoristas, que passam os dias dentro de um elevador.
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui