Usina de Letras
Usina de Letras
69 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60373 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22278)

Discursos (3194)

Ensaios - (9718)

Erótico (13520)

Frases (48265)

Humor (19557)

Infantil (4831)

Infanto Juvenil (4183)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139381)

Redação (3120)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5813)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->O canário -- 16/03/2000 - 12:05 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Corre o moleque por deserta estrada,

Atiradeira à mão, o peito arfando,

Corre e corre nas pedras tropeçando,

No chão cai. Se levanta. Não é nada.



- O passarinho! - e o seu olhar fulgia

Em um anseio de febril desejo.

- O passarinho! - Mas, meu Deus, que vejo?

Ferido canário no chão gemia,



Numa poeira amarela de plumas,

Que se esvoaçam ao lépido vento.

Assim, meu moleque, como te arrumas?



Garoto, por que este teu sentimento?

Vivo o canário, sádico te enfunas?

Morto agora, só ouço teu lamento?





Agudos, SP, 1969.
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 490Exibido 799 vezesFale com o autor