Usina de Letras
Usina de Letras
90 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59659 )

Cartas ( 21254)

Contos (13324)

Cordel (10319)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9535)

Erótico (13486)

Frases (47208)

Humor (19419)

Infantil (4619)

Infanto Juvenil (3936)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138766)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5656)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Duas formas* -- 19/03/2009 - 12:23 (Aldo Votto) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos


Jamais entenderás se te amo ou não te amo

Haja vista que são conhecidas duas maneiras de amar

A poesia é uma intenção de não dizer,

o som é em parte cala.



Eu te amo para dessacralizar o amor,

para torná-lo dia-a-dia

e para amar-te sempre.

Portanto, não te amo como devia.



Te amo e não te amo como se pudesse

conduzir por minha própria conta

Dois destinos e muitíssimos desatinos



Minha vida tem amor e desamor, ambos para o mesmo fim

Por causa disso te amo e não te amo

Querendo amar as faltas de amor que trago em mim.



* Paráfrase ao soneto XLIV dos "Cien sonetos" de Pablo Neruda







PUBLICADO EM: "Quatro Nomes" - Ed. Insular, Florianópolis, 2005 e no "site" colaborativo Overmundo, 2007.
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui