Usina de Letras
Usina de Letras
62 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59808 )

Cartas ( 21263)

Contos (13364)

Cordel (10327)

Cronicas (22226)

Discursos (3173)

Ensaios - (9574)

Erótico (13486)

Frases (47466)

Humor (19436)

Infantil (4676)

Infanto Juvenil (4003)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138983)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5702)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Poeisa para você -- 27/03/2010 - 19:29 (André Mariano de Almeida) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Poesia para você



Quero fazer uma poesia que corra ao teu encontro

Te diga as palavras que calam em meu silêncio que nada mais diz além do teu encantamento

Que faça coisas temíveis porque sua claridade basta para veres o quanto existo em sua miopia

Que te acolha no mais profundo sentimento em que fazes da vida teu esconderígio

Que te encontre no sabor das manhãs em que acordas incompleta, inquieta com tua solidão

Que te deixe aflita da febre súbita e infinita de olhares para o apelo das rosas que deixei nos teus sonhos movediços

Quero muito mais que isso, quero a poesia que te acolha como um pássaro acolhe o vento

E nos murmúrios incandescentes da tua carne te deixa estática e a contemplar a paisagem descoberta

A poesia que te descubra com o máximo de riso, para que possas esparzir a grande melodia que há em tua sólida e inconstante harmonia com seus desejos de faca

Que ela decore sua lucidez com os verdadeiros motivos desta vida

E que nela você se veja, atônita, desvairada, simples, mulher,

Inteira beleza que sobre mim coagula entregas e miragens que desbotaram no mundo

Porque este mundo dado de graça, este que passa e não sentes, este não é o mundo,

E eis que a poesia te fará do mundo apenas aquilo que é seu, o que em tuas conversas veladas,

Teus pensamentos inconfessos, tuas volúpias de madrugada, são o calor maciço de nossas almas, ardem no abismo dos nossos olhares,

E se transformam na alma nos pequenos seres que esperam arder com um pouco da nossa paixão eternizada.



(André Mariano de Almeida – março/2010)

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui