Usina de Letras
Usina de Letras
57 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60367 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3194)

Ensaios - (9716)

Erótico (13520)

Frases (48255)

Humor (19555)

Infantil (4830)

Infanto Juvenil (4180)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139367)

Redação (3119)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Conto do vigário pregado por Madoff -- 07/04/2009 - 09:23 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Prezados Internautas

Tem sido motivo de muitos comentários o conto do vigário pregado nos EUA pelo vigarista Bernard Madoff.

Ele deve ter aprendido aqui no Brasil, com os brasileiros.

Em 1952, o ten. Filipetta aplicou este mesmo golpe, no Rio de Janeiro, com o qual enriqueceu e se deu muito bem, pois pegou apenas uns poucos anos de cadeia.

Ele era um espertalhão, que para bem impressionar os incautos, andava sempre com uma bíblia sob o braço e, sempre que podia, citava alguns dos seus versículos, em defesa da moralidade. E alegava que tinha um negócio secreto, no qual aplicava a grana dos aplicadores, e conseguia elevados rendimentos.

E como ficou rico, logo depois chutou a esposa e a trocou por outra, com bastante mais charme, e foi aproveitar a vida, já sem a bíblia.
Verifiquei que o Filipeta não foi o primeiro e nem o único, aqui neste país, pois em 1881 já
um espertalhão aplicara um golpe na praça, com o "Primor da Arte", um navio que seria construído com o dinheiro dos acionistas, que enriqueceriam com isto, conforme narrativa abaixo.

Navio este que nunca saiu do papel.

Em matéria de golpes, ainda somos os mestres.

Pedro Paulo

____________________________________

O Primor da Arte


Jayme Copstein

04/04/2009

Quando ouço falar que o norte-americano Bernard Madoff conseguiu aplicar um dos contos de vigários mais antigos da era capitalista, não me surpreendo. Voltaire dá a entender que à espera de um otário para depená-lo há sempre um espertalhão na próxima esquina. Até afirma que, quando o primeiro espertalhão encontrou o primeiro otário, ele inventou as religiões.

Mas falava em contos de vigário e o nome nada tem a ver com religião. Dizem que a falcatrua foi assim batizada quando um malandro francês se fez passar por padre e extorquiu bons dinheiros de devotos. Cito a versão não para me mostrar erudito, mas com a intenção de debater se é a ingenuidade ou a voracidade que leva as pessoas a caírem no golpe.

Quase sempre é uma mistura das duas coisas. Por exemplo, em 1881, Porto Alegre viveu uma comédia quando o pintor Veríssimo Barbosa de Souza convenceu-se de ter inventado o navio movido a pressão de ar.

Estava “assuntando”, sem o que fazer, a ideia lhe veio à mente. Construiu um pequeno modelo, fez experiências na banheira de casa e se entusiasmou. Radiante e já antevendo a fortuna que a invenção poderia lhe trazer, contou tudo em segredo a alguns amigos mais chegados.

A ideia era fascinante e os amigos de Veríssimo acabaram contaminados com seu entusiasmo. Eles o estimularam a fundar uma empresa para construir o navio que haveria de revolucionar a navegação mundial. Não houve dificuldade para angariar o capital. O pintor batizou o notável invento de "Primor da Arte" e, com o dinheiro dos acionistas, logo pôde construir um trapiche e começar a montagem da traquitana.

De repente a cidade se tomou de demência. Não se falava de outra coisa, todos queriam associar-se ao empreendimento, os primitivos sócios recusavam novas adesões. No máximo, a amigos muito chegados, concordavam em ceder algumas poucas cotas, assim mesmo com respeitável ágio. A construção do "Primor da Arte" foi demorada, alimentando ainda mais o delírio.

Correram rumores de espionagem internacional, de uma corporação inglesa pressionando para comprar o navio. O assunto tomou tal proporção que o governo da Província contratou engenheiros para avaliarem o projeto.

O laudo negativo – não passava de mirabolância – serviu para alimentar a polêmica. Os entusiastas do "Primor da Arte" o receberam com desprezo. Que todos esperassem para ver quem estava com a razão. Depoi s, não se queixassem da sorte que lhes batera à porta e a encontrara fechada.

O tempo foi passando e o "Primor da Arte" não dava o ar da graça. Os acionistas começaram a pressionar Veríssimo e o fizeram apressar o arremate do navio. Foi programada com alarde a viagem inaugural que deveria terminar em Triunfo, onde os numerosos adeptos do empreendimento ofereceriam uma festa para comemorar o sucesso.

Dito, mas não feito. A decepção começou em Porto Alegre, quando Veríssimo exibiu o revolucionário "Primor da Arte". Era um barco comum ao qual ele havia adaptado foles imensos para soprar o “combustível”. Na hora de partir, o desastre. Os foles não davam conta, o "Primor da Arte" foi se arrastando à custa de remo, com o devido acompanhamento de palavrões, até conseguir aportar em Triunfo dois dias depois.

Veríssimo t entou em vão tirar o corpo fora, alegando que a “pressa” resultara em foles defeituosos. De nada valeu. A empresa foi dissolvida, cada um ficou com seu prejuízo e ele foi literalmente cantar em outra freguesia. Poucos anos mais tarde, protagonizou episódio semelhante no Pará, onde “inventou” um avião também revolucionário. Depois de novo fiasco sumiu na História.


Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 490Exibido 951 vezesFale com o autor