Usina de Letras
Usina de Letras
30 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62472 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10468)
Erótico (13578)
Frases (50857)
Humor (20082)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140896)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6247)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Soneto LXVII, de Shakespeare. -- 04/12/2010 - 23:41 (Elpídio de Toledo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Veja mais==>>>Einstein no caminho de Drummond. Ein Stein...uma pedra...

texto























































LXVII

Ah! wherefore with infection should you live,

And with your presence grace impiety,

That sin by you advantage should achieve

And lace itself with your society?

Why should false painting imitate your cheek

And steal dead seeing of your living hue?

Why should poor beauty indirectly seek

Roses of shadow, since your rose is true?

Why should you live, now Nature bankrupt is,

Beggar`d of blood to blush through lively veins?

For she hath no exchequer now but your’s,

And, proud of many, lives upon your gains.

O, you she stores, to show what wealth she had

In days long since, before these last so bad.



Fonte: http://www.shakespeares-sonnets.com/sonn02.htm



LXVII



Ah! Por quê com infecção você deveria viver,

e com sua presença endossar impiedade,

que pecado lhe traria vantagem,

inda atar-se a sua sociedade?

Por quê falsa pintura imita seu rosto

e rouba visão morta de seu tom de vida?

Por quê pobre beleza indiretamente buscaria

rosas de sombra, uma vez que sua rosa é verdade?

Por quê você viveria, agora que a Natureza falia,

paupérrimo de sangue para corar veias com vivacidade?

Para ela não há erário agora, salvo o seu,

e, orgulhoso de muitos, vive de seus ganhos.

Oh, que ela acumule, para mostrar que riqueza tinha

desde muito tempo atrás, antes deste mais recente tão ruim.













































Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui