Usina de Letras
Usina de Letras
78 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60350 )

Cartas ( 21289)

Contos (13386)

Cordel (10358)

Cronicas (22276)

Discursos (3193)

Ensaios - (9713)

Erótico (13520)

Frases (48232)

Humor (19546)

Infantil (4824)

Infanto Juvenil (4173)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139339)

Redação (3116)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5809)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->O garçom e... A trombada -- 03/09/2009 - 15:34 (Antonio Accacio Talli) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O garçom
Antonio Accacio Talli

Seu Lopes, homem de seus 54 anos, garçom de um restaurante famoso, muito educado, amigo e querido dos fregueses, estando desaparecido há dois meses, num determinado dia reaparece reassumindo suas funções. Sua aparência era desoladora – magro, cicatrizes no rosto, não apresentava nenhum dente na boca e sim um pino (parecia um prego) bem no meio do maxilar superior.

A primeira impressão era de que ele tinha sido atropelado por uma jamanta. Foi aí que Seu Lopes contou o acontecido:
“Fui a São Paulo há dois meses no velório de um irmão e levei uns dólares para ajudar minha cunhada nas despesas do enterro. Passei a noite toda velando o corpo e lá pelas 6 horas da manhã, ainda escuro, cansado e sentindo um calor intenso, resolvi sair para respirar um ar puro e tomar um café no bar da esquina. No trajeto, fui abordado por dois brutamontes que gritaram:
‘É um assalto’.

Resolvi reagir. Dei três passos para trás e também ¬gritei:
‘Vocês podem levar, mas não vai ser fácil’”.

Abaixando a voz, Seu Lopes confessou:
“Olha, Doutor, nunca foi tão fácil.
Acordei no Hospital das Clínicas após 30 dias em coma. Foi um soco só!”.


A trombada.

Em uma tarde de feriado, resolvi assistir a um filme no cinema e fazer minha higiene mental.

Ao entrar na sala de projeção, a sessão já tinha começado e a escuridão era total.

Comecei a caminhar lentamente pelo corredor, às apalpadelas, esperando clarear a sala para poder visualizar as poltronas e escolher um bom lugar. Após dar uns cinco ou seis passos, ainda no escuro, bati de frente com uma jamanta, pois o cara devia ter uns dois metros de altura e ser forte como um touro. Ele nem se moveu e permaneceu calado. Eu fiquei com a cabeça e o peito doloridos pela topada.

Preocupado e apavorado pela provável reação daquele sujeito enorme, comecei a pedir mil desculpas, mais desculpas, muitas desculpas, e continuei andando pelo corredor, aguardando que aparecesse alguma luminosidade para me sentar e misturar-me com os demais espectadores, evitando, dessa maneira, ser reconhecido como o agressor daquele guarda-roupa.

Após uns 30 segundos, clareou-se a sala e eu, ainda em pé, de relance, dei uma olhada para ver a fera. Ao ver aquela imagem estática, fria e dura, parei de tremer e comecei a rir.

Acabara de pedir desculpas para um enorme extintor de incêndio pendurado na parede do corredor.

Observação: estes e outros contos fazem parte do livro `Injeções de Humor` de Antonio Accacio Talli, publicado pela Editora Comedi.
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 0Exibido 777 vezesFale com o autor