Usina de Letras
Usina de Letras
91 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62476 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6251)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->DO CAOS, NADA! -- 25/10/2012 - 19:24 (Alexandre José de Barros Leal Saraiva) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
No caos dessa teimosia que me insiste

parida por vários abandonos de mim mesmo,

acabei esquecendo o gosto,

o som, o doce, o medo e o desejo,

do desgosto.

Neste turbilhão, durmo. Mal é o presságio de amanhã:

pesadelo? Acordo!

Melhor não acordar, não dormir...

... não respirar?????????

Esta dúvida foi de inopino, traiu a própria inspiração.

Sei bem a resposta, ao menos penso que sei. Portanto,

calo. Que o silêncio exuberante e belo do vazio,

fale por mim,

entre devaneios de final de tarde,

desafiando o ócio ocupado que me entristece

cedo,

tardiamente,

ao rabisco preto e branco da poesia.

Devo largar o abandono,

partir, rapidamente, antes que a noite caia

e enganar, mais um pouco,

a mim e a tantos outros,

que sequer imaginam o que e quem são!

No instante caótico do agora, não sou presente, não sou passado,

Nada sou!

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui