Usina de Letras
Usina de Letras
24 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62476 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6251)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->FODA-SE -- 06/02/2013 - 22:09 (Alexandre José de Barros Leal Saraiva) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Quando a poesia arranha no peito

e exige SAÍDA, como se nada mais,

além dela própria,

no mundo existisse,

cabe ao poeta morrer-se e deixá-la IRRRRRRRRRRRRRRRRR.



Poetizar, longe de criar, é antes descriar,

deixar de acreditar em si, escrever ASSIM, desconhecidamente

íntimo, partindo do inferno paradisíaco que há,

NO desconhecido SEM COR

E

N

T

R

E o papel e o OTSER inteiro DO ohlepse



Mas que resto é esse... inteiro????!!!!!

Sobreviver - estranha tessitura de espaços abertos

daquele mínimo que sente... traduz... sofre e goza prazeres que não são seus?



Merda! Merda! A poesia é uma Merda.

Se te apraz, deita nela

Soletra

Decora

Recita

f...-se!

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui