Usina de Letras
Usina de Letras
28 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62476 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10470)
Erótico (13578)
Frases (50863)
Humor (20083)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140908)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6251)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Solidão (2) -- 26/08/2013 - 17:06 (Alexandre José de Barros Leal Saraiva) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Não, não me basta confessar,

a Ti, mulher que espera,

os tons vermelhos, dramáticos e sozinhos

que espreitam meu coração.



Não, não me diga nada de mais

nem, tampouco, julgue todos esses meus silêncios

de má hora, pois sou íntimo amigo

dos fantasmas da solidão.



Não, não quero palavra alguma

que te deixe antever algo do que jamais fui...

Pretendo, apenas, morrer ao largo,

sombreado por pálida cruz!



Não, não terminarei em um banco de praça

vigiado por aves negras de rapina,

tão famintas quanto minh`alma é

por uma simples redenção. Não, somente eu e minha toda solidão...
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui