Usina de Letras
Usina de Letras
27 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 62472 )
Cartas ( 21336)
Contos (13274)
Cordel (10453)
Crônicas (22547)
Discursos (3241)
Ensaios - (10468)
Erótico (13578)
Frases (50857)
Humor (20082)
Infantil (5499)
Infanto Juvenil (4821)
Letras de Música (5465)
Peça de Teatro (1377)
Poesias (140896)
Redação (3323)
Roteiro de Filme ou Novela (1064)
Teses / Monologos (2437)
Textos Jurídicos (1962)
Textos Religiosos/Sermões (6247)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Perigosos carrinhos. -- 28/10/2013 - 11:08 (Elpídio de Toledo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Clique com o dedo direito no meu nome,

a seguir, e escolha "abrir em nova janela" para ouvir essa música de minha

lavra e parceria com Eduardo Toledo. Minha gaita Honner dá o tchã,

enquanto a voz dele se evidencia.

texto

Graça violência em todos os gramados,

os juízes a ignoram, negligenciam,

canelas, joelhos e narizes são quebrados,

é o que torcedores pagantes apreciam.



Testadas nas nucas e nos cerebelos,

cotoveladas, tapas na cara, perigosos carrinhos,

peitadas, socos e puxadas de cabelos,

é o que gostam de ver desde menininhos.



Ele faz parte do plantel,

sempre que pode recalcitra,

tem bravura de corcel,

leva cartões de quem arbitra.



E, por atuar em casa,

o juiz faz parte do apronto,

a bola sua meta não vasa,

trata o visitante "ao ponto".



Quando olha pra tabela,

seu clube está na rabeira,

o corcel está sem cela,

fica sem eira nem beira.



Esquece que a violência

não dá camisa a ninguém,

se não tiver competência,

cai pra segunda também.































Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui