Usina de Letras
Usina de Letras
38 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->O pão francês pra brasileiro ver -- 23/10/2006 - 14:19 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O PÃO FRANCÊS

por Rodrigo Constantino

"The more the state plans the more difficult planning becomes for the individual" (Hayek).


Chegamos ao fundo do poço! Agora sim. Achava que o fundo tinha sido atingido com a provável reeleição de Lula, presidente do "mensalão" cujos mais próximos aliados foram envolvidos em escabrosos escàndalos de corrupção bem diante de seus olhos. Na verdade, achei que o fundo era mesmo ter eleito alguém como Lula para presidente pela primeira vez. Mas aí ainda vale a desculpa esfarrapada de que o camarada de Fidel Castro não havia sido testado. Só que uma segunda vez, mesmo depois de tudo que aconteceu, não tem desculpa alguma. Entretanto, não era esse o fundo do poço ainda, para a minha surpresa. O diabo está nos detalhes. As pequenas ações são sintomáticas e talvez demonstrem melhor a mentalidade de um povo. Portanto, o fundo do poço é mesmo o governo controlar como o p&a tilde;o francês será vendido!

Por conta de uma portaria do Inmetro, o produto passa a ser vendido por quilo e não por unidade. A pesagem é obrigatória, e todas as padarias tiveram que se adaptar. A medida é tão absurda, mas tão absurda, que choca a reação complacente dos consumidores. Creio que como sapos escaldados, estão acostumados a ter o "papai" Estado decidindo tudo, quem sabe até a cor da cueca que será usada no dia. Os cidadãos são tratados como mentecaptos pelo governo, que interfere nos mínimos detalhes da esfera individual. E como súditos também, na hora de deixar quase a metade do que ganham para os cofres públicos. O conceito de liberdade individual é algo que passou bem longe do Brasil, ainda que vários patetas insistam em xingar (sic) o país de "neoliberal".

Um governo que pretende decidir até mesmo como o pãozinho nosso de cada dia será vendido é um governo que não tem mais o que fazer. Chegaram até mesmo a criar lei sobre engates nos carros! Os privilégios dos burocratas e políticos já é algo que indigna os pagadores de impostos. O fato de Brasília ter a maior renda per capita do país, de longe, mostra que a desigualdade material é amplificada pela concentração de poder no Estado, enquanto muitos ainda acreditam que justamente ele deveria ter o papel de eliminar as desigualdades. Mais fácil crer em gnomos e papai noel. Mas mesmo assim, partindo da premissa que já somos explorados e transferimos renda para os governantes, seria melhor que eles fossem pagos para não fazer nada! Pois quando resolvem fazer, como no caso dessas interferências patéticas na esfer a individual, só sai porcaria.

O governo deve cuidar basicamente da segurança das pessoas, da manutenção das leis impessoais, garantindo a liberdade dos indivíduos. As trocas devem ser voluntárias, e cada um sabe o que é melhor para si, devendo também arcar com a responsabilidade por suas ações. Tal seria um mundo livre, onde cada um poderia escolher para si o que considera melhor, e teria que obter os produtos e serviços demandados através de interações voluntárias com outros indivíduos, ficando protegidos pelo Estado de roubo e quebras de contratos. Estamos muito longe disso! No Brasil, o Estado se arroga o direito de tratar o povo feito idiota, e pelo próprio discurso do presidente Lula, vemos a analogia com a figura paterna, como se cidadãos fossem filhos dos governantes. Eu tenho pai, ele felizmente nada se parece com Lula, e ele tampouco decide por mim como devo comprar o pão francês. A compra do pãozinho, assim como de todos os outros produtos, é uma troca voluntária entre duas partes. Elas deveriam ser livres para escolher os detalhes da operação. Aqui nesse país não. Aqui o Estado decide por todos, nos mínimos detalhes. A liberdade foi para o saco!

Alguns ainda podem argumentar que a medida não foi tão autoritária assim, pois antes foi realizada uma consulta popular. Mas ora, ditadura da maioria ainda é ditadura! Imagina se todos tivessem que beber a mesma cerveja que a maioria escolhesse, ou tivessem que comprar o mesmo modelo de celular preferido pela maioria. Isso não é liberdade de escolha. Liberdade é você poder negociar livremente, comprar algo que somente você deseja se alguém estiver disposto a vender. Cada consumidor deveria ser livre para comprar seu pão como desejasse, e cada padaria deveria ter a liberdade de vendê-lo como quisesse, seja por peso, aparência, unidade etc. Se o cliente não está satisfeito, vota com o bolso, escolhendo outro estabelecimento. A concorrência é a maior garantia de que os interesses dos consumidores serão protegidos. Vendedores só sobrevivem se seus clientes estiverem satisfeitos. No livre mercado, são os consumidores que mandam! Algo totalmente diferente, mais eficiente e mais justo que um modelo onde os "clarividentes" burocratas irão decidir por todos e obrigar um mesmo padrão para o mercado.

Enfim, a reeleição de Lula é a grande evidência de que o país afundou mesmo, ignorando questões éticas e vendendo a alma ao diabo por um trocado a mais. Mas o verdadeiro sintoma de que chegamos ao fundo do poço está nas pequenas coisas que demonstram a mentalidade do povo. E a mentalidade do povo brasileiro é totalmente anti-capitalista e anti-liberal. Caramba! Parece brincadeira, e de muito mal gosto, mas o governo realmente chegou ao ponto de definir como um simples pãozinho tem que ser vendido!


http://rodrigoconstantino.blogspot.com




Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui