Usina de Letras
Usina de Letras
75 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60277 )

Cartas ( 21285)

Contos (13379)

Cordel (10353)

Cronicas (22252)

Discursos (3187)

Ensaios - (9686)

Erótico (13520)

Frases (48075)

Humor (19491)

Infantil (4785)

Infanto Juvenil (4140)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139175)

Redação (3099)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5772)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->CAATINGA -- 23/04/2014 - 14:17 (Roosevelt Vieira Leite) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A jurema nunca seca.

Nem o juá da caatinga de minha terra.

A pedra de sal corta como faca afiada.

Na caatinga tem de tudo:

Cascavel, urtiga braba e erva sagrada.



Sinto saudades da caatinga.

Tive amigos por lá.

Os homens são mais francos,

As mulheres mais quentes,

A rapadura desbota os dentes, mas, a meninada nem liga.



Era a casa de barro seco em armação de pau.

A porteira avisava quem chegava ao som da cachorrada.

Na caatinga todo mundo é igual.

Quando a sede aperta divide-se a água com o burro.

E o burro com o vizinho quando a fome arrebenta.



Carnaúba boa de cera,

Oiticica, óleo de algodão, castanha de caju.

Enchi a boca de água, pois, estou no Ceará.

Tapioca, ipioca, beira mar,

Jangadeiro valente, caboclo insolente,

Meu povo de Tianguá.

Passei por Sobral, subi a serra, cheguei a Meruoca.

O povo me contou de tudo uma fofoca.

Então, estufei o peito e chorei, era só saudade.
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 5Exibido 315 vezesFale com o autor