Usina de Letras
Usina de Letras
59 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60362 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3193)

Ensaios - (9714)

Erótico (13520)

Frases (48249)

Humor (19550)

Infantil (4828)

Infanto Juvenil (4178)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139358)

Redação (3118)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
cronicas-->ESSA NINGUÉM ACREDITA -- 28/12/2006 - 04:30 (Antonio Guizzo) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Meus caros amigos, houve um tempo neste planeta em que a ordem era estabelecida. Certos fatos ocorriam, apenas, em determinados lugares e em determinados lugares, apenas, ocorriam certos fatos.
Naquele tempo, lembro-me que a Nova Zelàndia era um país inusitado, engraçado, e sempre que algo absurdo era citado em rodas de bar, no indício, por menos que fosse de descrença, aplicava-se o recurso infalível: acredite se quiser! Aconteceu na Nova Zelàndia.
Eram bons tempos.
Mas o Brasil foi contrário à manutenção da ordem do universo.
Nossa primeira tentativa em desbancar países como a Nova Zelàndia no ranking dos absurdos mundiais foi por meio de nossos diabos. Encapetados de toda a parte faziam seus shows de possessão demoníaca em locais públicos ou em suas casas, com direito a contorcionismos, grunhidos e, os mais letrados, inclusive o uso de línguas intraduzíveis.
Mas nossos diabos foram perseguidos pelas mais diversas religiões, espalhadas em cada esquina deste país, foram, e continuam sendo, expulsos aos milhares por dia, em espetáculos de entrada pseudo-franca. Mas os diabos continuam firmes. Não largam o território nacional, não vão para os países europeus de pouca fé e preferem continuar sua sofrida rotina de vítimas das mais diversas formas de perseguição. Continuam firmes, sem ideologias políticas, sem movimentos de sem corpo. Mas perderam sua credibilidade.
Partimos para o crime. Formamos organizações, facções, grupos e tentamos impressionar o mundo com roubos, assaltos, sequestros e afins, todos mirabolantes e inacreditáveis. Não deu, nossos marginais esqueceram-se do mundo e perderam-se numa violência desmedida e sem controle.
Parecia que nada nos restava, mas então, surpreendentemente, nossos políticos tomaram o carro-chefe.
Inventaram as mais diversas falcatruas, uma sobre a outra, precavendo-se da nossa pouca memória. Furtavam, espoliavam o património da nação. Sempre, e cada vez mais, nos impressionaram. Mas abusaram, perdeu a graça.
Vendo o fim de nossos risos e o começo de uma simples descrença da nação, apelaram. Pediram aumento absurdo de seus salários. Não aceitamos, perdeu a graça. De simples descrentes, ficamos revoltados.
Mas calma, eles não desistiram.
Alguns deles, no próximo ano, pretendem fazer-se votar um projeto de lei de iniciativa popular. Mas não destes projetos ridículos que anseiam melhoras em educação, segurança, empregos, saúde ou afins.
É outro, um que reflete a vontade de todo o cidadão brasileiro: a anistia de José Dirceu e Roberto Jefferson, os dois ex-deputados, cassados, o primeiro por ser indiciado pelo Procurador Geral da República como chefe de quadrilha e o segundo por confessar ter recebido quatro milhões de Delúbio Soares do Valério-duto.
Estão arrecadando assinaturas para entraram com o projeto de lei.
Após a entrada deste projeto, ele seguirá o caminho dos demais, tendo que ser aprovado na Càmara e no Senado, e por último, pelo presidente. Agora me pergunto: Nossos queridos deputados e senadores, que já provaram inúmeras vezes sua preocupação com o bem estar da população brasileira, votaram a favor ou contra? E nosso presidente vai deixar seu companheiro José Dirceu na mão, caso o projeto seja aprovado nas duas casas?
Meus caros amigos, há muito tempo a Nova Zelàndia perdeu seu troféu de acontecimentos inimagináveis para nosso políticos. E acreditem se quiser, aconteceu no Brasil.
Espero que o resto do mundo tenha boas gargalhadas com nossos fatos incríveis, porque para nós, a brincadeira perdeu a graça há muito tempo.

MEU BLOG http://deusdiario.zip.net/ ou www.deusdiario.zip.net

Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 0Exibido 336 vezesFale com o autor