Usina de Letras
Usina de Letras
49 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->A violência é questão de sobrevivência (Lulla) -- 05/03/2007 - 14:22 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A violência é questão de sobrevivência (Lulla)

ARTHUR CHAGAS DINIZ (*)

A frase lapidada por Lulla em Ipojuca (PE) reflete a confusa noção que tem o Presidente da República sobre a questão da criminalidade no Brasil. Crimes de sobrevivência seriam pequenos roubos para matar a fome ou legítima defesa da própria vida.

Quando a população reclama de crimes bárbaros que se sucedem e dos quais participam menores de 18 anos, do regime de progressão de penas para criminosos encarcerados por crimes bárbaros, ela não se refere ao que o Presidente, com sua imprecisão habitual de sindicalista, chama de "crimes de sobrevivência". Não se pode tratar como inimputáveis jovens que cometem sucessivamente crimes de latrocínio, desde que tenham 18 anos incompletos. Se agem e pensam como adultos, é necessário que sejam avaliados caso a caso. Psicopatas, por exemplo, de qualquer idade têm que ser retirados à força da sociedade.

Sabe-se que não apenas Lulla, como todo o PT, acha que há crimes e crimes, a partir da lógica marxista de que os fins justificam os meios. Recentemente, Mantega e a mulher deixaram de prestar queixa à polícia de São Paulo porque não queriam se expor e, além disso, como disse Eliane Mantega, os marginais foram gentilíssimos. O crime aconteceu, disse ela, em função das condições económicas do País.

A tecla em que Lulla bate permanentemente (não consistentemente) é de que não podemos agir sob o impacto da emoção. Isto significa que devemos deixar de nos mobilizar para pedir polícia e justiça em momentos em que o crime mostra sua pior face: a da violência sem causa. Um ministro de Estado não pode deixar de solidarizar-se com a sociedade. A ministra Ellen Gracie, ainda batalhando por mesadas maiores, foi assaltada na Linha Vermelha, no Rio, e achou o episódio comum. Nada de mais.

Em matéria de crimes menores, os aloprados do PT vão bem, obrigado. O FBI nacional não conseguiu detectar a origem das malas de dinheiro do pessoal do Planalto e da coordenação de campanha do Mercadante. É ..., como diz Lulla, a violência é, por vezes, uma questão de sobrevivência. Os lullopetistas estão, nesta matéria, absolutamente fechados com o grande líder.


(*) Presidente do Instituto Liberal



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui