Usina de Letras
Usina de Letras
59 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62126 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22528)

Discursos (3238)

Ensaios - (10326)

Erótico (13566)

Frases (50535)

Humor (20019)

Infantil (5413)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140775)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->O messetê e seus colarinhos vermelhos -- 07/03/2007 - 16:15 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Colarinhos vermelhos

Félix Maier

Todos já conhecíamos os colarinhos brancos e os colarinhos azuis. Os colarinhos brancos, ou diretores de empresas, são lembrados periodicamente pela imprensa devido à sonegação de impostos, os tais "crimes de colarinho branco".

Os colarinhos azuis começaram a proliferar com a Revolução Industrial e sua consequente divisão do trabalho, seja nos teares britànicos, seja nas linhas de montagem do Ford Bigode nos EUA, ou até nas fábricas imaginadas por Chaplin em "Tempos Modernos". Posteriormente, houve uma adaptação do macacão dos colarinhos azuis implementada por Mao Tse Tung na China comunista - o onipresente safári amarelado -, para militarizar os ninhos de formiga em que se transformaram os trabalhadores chineses.

Com o advento da modernidade, modificando-se os conceitos de um mundo globalizado, quando se desenvolveu a alta tecnologia, como a informática e a robótica, o macacão símbolo do colarinho azul começou a se tornar obsoleto. E obsoletos se tornaram as palavras de ordem de sindicalistas que antes tinham nas mãos uma enorme massa de trabalhadores para manipulação política.

Além de colarinhos brancos e colarinhos azuis, o Brasil criou uma nova categoria de colarinhos: os colarinhos vermelhos. Atualmente, proliferam como gafanhotos nesse enorme milharal que é nosso rico e sofrido país. Eles não são colarinhos brancos, embora ajam como se fossem, quando se tornam proprietários de latifúndios que conseguem "expropriar" com o dinheiro da União. Não são colarinhos azuis, porque não trabalham, passando a maior parte do tempo fazendo "marchas da vagabundagem" pelo país afora, normalmente com destino a Brasília, que às vezes duram meses. Quando não estão em "ordem de marcha", para lembrar a "mística" de Mao Tse Tung, estão invadindo propriedades rurais, queimando sedes de fazendas, fazendo churrasco com reses alheias, assaltando caminhões com alimentos nas estradas, invadindo prédios públicos e bancos, fazendo reféns e colocando o Governo na defensiva com suas sucessivas chantagens. Além de não trabalharem, querem dinheiro a todo instante, a fundo perdido, com a desculpa de iniciar o plantio de mais uma safra. Fazendo dívidas com bancos, na criação de cooperativas, deixam os "papagaios" para o Governo pagar. Não trabalham, mas querem ser tratados como funcionários públicos - como já havia percebido FHC - , tutelados eternamente pela "viúva", sem dar em troca o que seria exigido nessas circunstàncias: a oferta de seu trabalho braçal.

No momento, os colarinhos vermelhos fazem lobby no Congresso Nacional, para que seja modificada a exigência de produtividade de uma fazenda, para mais, de modo que mais facilmente consigam afanar terra alheia.

Quem são, enfim, esses colarinhos vermelhos? Para os desatentos que ainda não se deram conta, seu nome começa com M de mamata, termina com T de trambique e no meio da sigla tem S de sonso.

Se fosse aplicada aos sem-terra a obrigação de terem a produtividade que eles exigem dos fazendeiros, com certeza teriam que devolver todos os assentamentos ao Incra.





Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui