Usina de Letras
Usina de Letras
70 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59658 )

Cartas ( 21253)

Contos (13324)

Cordel (10319)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9534)

Erótico (13486)

Frases (47208)

Humor (19417)

Infantil (4618)

Infanto Juvenil (3936)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138765)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5656)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->VITORIOSA. (ENEDINA) -- 28/09/2016 - 16:13 (Ana Zélia da Silva) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
VITORIOSA.



Enedina Bentes (indicação Ana Zélia)



Descendo a Getúlio Vargas,

Ali na altura da Glacial

Vi uma pedra estranha

No chão, lá longe...

Continuei caminhando

Olhando alucinada aquela pedra

Se alguém tentasse pegá-la eu correria,

Gritando É MINHAAAA, É MINHA

Mas ninguém a viu.

Só eu.

Afortunada.

Me aproximei.

Parecia um pedaço de kriptonita.

Mas logo percebi a realidade nua e crua:

ERA UM PEDAÇO DA LUA.

Muita sorte para uma garota como eu!

Olhei ao redor e antes que alguém notasse

Peguei a pedra.

Entrei numa loja e pedi pra usar o banheiro.

A respiração ofegante.

A moça me mostrou uma portinha horrorosa nos fundos da loja.

Entrei.

Senti cheiro de água sanitária.

Tirei a pedra da bolsa.

"Um pedaço da Lua, Enedina! Só você mesma..."

Tirei a blusa, abri com os dedos a pele e

afastando músculos e ossos vi o buraco que você deixou

quando me arrancou o coração.

Depositei a pedra de Lua naquele espaço.

Reorganizei tudo dentro de mim.

Fui tomada por uma forte onda de frio e depois de calor,

Meus olhos arderam e senti calafrios da espinha até a nuca.

Choques elétricos percorreram meus nervos.

Mas eu não gritei.

Eu calei.

Eu esperei aquele torpor passar.

E quando eu saí da loja, estava tudo normal.

Mas eu não estava mais morta.

Eu havia renascido!

E até hoje quando passo na Getúlio Vargas

Lembro daquele dia 6,

Em que tive numa nova chance

E agarrei.

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Manaus, 28.09.2016. Nota da autora.

Enedina Bentes é uma poeta de nome em Manaus,

valorizando nossas heroínas que vencem mostrando

o lado poético da vida. Parabéns Amiga. Ana Zélia

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui