Usina de Letras
Usina de Letras
74 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60373 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22278)

Discursos (3194)

Ensaios - (9718)

Erótico (13520)

Frases (48265)

Humor (19557)

Infantil (4831)

Infanto Juvenil (4183)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139381)

Redação (3120)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5813)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->A noite -- 22/03/2000 - 08:29 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A noite vem engolindo o mundo inteiro.

As aves já se abrigaram no quente ninho.

Uma ou outra coruja,

sem destino,

vagueia pelo céu denegrido,

em gritos lacerantes,

à busca de algum alimento.

Tudo se prepara para o repouso.

Só os sapos berrentos

e os grilos arrancando trinados de suas flautas

executam estranha sinfonia.

Tudo se vai tornando silêncio.

E em silêncio também fica

a alma da gente,

nostálgica e indefinida,

cópia exata desta noite

que lá fora já abocanhou tudo.

Em silêncio medita a alma,

febricitante pelas infindas incógnitas

que lá dentro se entrecruzam,

iluminadas de vez em quando

por alguma fagulha de luz,

como minúsculo pirilampo,

perdido na imensidão da noite.

Tudo repousa.

Os pássaros aconchegados em seus ninhos.

Os animais entocados.

Só a minha alma vela a macabra noite,

sombra de sua face sofredora.





Agudos, SP, 1969.
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 490Exibido 780 vezesFale com o autor