Usina de Letras
Usina de Letras
68 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60362 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3193)

Ensaios - (9714)

Erótico (13520)

Frases (48249)

Humor (19550)

Infantil (4828)

Infanto Juvenil (4178)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139358)

Redação (3118)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->O Contraste da Convivência -- 13/02/2003 - 00:02 (André Luiz Rodrigues Marinho) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos


Preste atenção nestes pequenos acontecimentos:



Uma pessoa passa na rua e pede uma informação a outra:



- Por favor, você sabe onde fica o fórum da cidade?



- Ah, primeiro você entra aqui nesta rua e... está vendo aquele negrinho ali parado na frente do carro? Então, conta duas casas depois que você chega lá...



E quando algum homem com trejeitos efeminados passa por algum lugar movimentado? É quase impossível que ele passe sem escutar um "Ih, olha lá o mariquinha!"



Fora também quando você tem uma opinião e quer debatê-la com alguém mais velho e no máximo o que você escuta é um "Fica quieto aí, ô pirralho!"



Atitudes como essas descritas acima são tão rotineiras que a gente nem mais as considera preconceitos. Quem nunca se viu numa situação dessas, seja sofrendo essa "classificação" ou praticando-a, mesmo que por brincadeira? Pois é, o ano é novo, o século é novo e o milênio também. E o preconceito? Ainda existe? Esta pergunta não é difícil de se encontrar a resposta: O preconceito existe sim.



Além de existir, ele se ramifica em diversos tipos de manifestações. Tem preconceito racial, religioso, pátrio, sexual... e vários outros que se fossem listados ia parecer carta de "te amo" de fã para artista. O que interessa é mostrar como podemos identificá-lo e o que fazer para erradicá-lo.



Veja este exemplo: Pense em um escravo, olhando para você. Eu aposto o que você quiser que o escravo que você imaginou era negro, certo? Então, esta é uma forma de preconceito implícito, nós já fomos condicionados desde pequenos a pensar desta forma – claro que indiretamente – e isso não tem nada a ver com a raça a qual você pertence. Mesmo sabendo que existiram escravos brancos, é praticamente automático pensar deste jeito.



Com isso a gente percebe que esse tal preconceito não está presente somente lá longe e sim, perto e até mesmo dentro de nós. Na Primeira Guerra Mundial, inúmeros judeus foram mortos: Preconceito. Movimentos como o dos "Skin Heads" e "Ku Klux Klan" se proliferando: Mais preconceito (e estes muitos mais graves, pois partem de um princípio violento).



É triste saber que a realidade do mundo é esta. Mas por outro lado, é compensador saber que existem pessoas que estão dispostas e lutam para transmutá-la. Este é o caso das ONG’s e outras iniciativas que asseguram seu público combatendo a todas as formas de preconceito.



Se deixando levar por ele, quanta cultura a gente desperdiça, quanto conhecimento deixamos de adquirir, quanto calor a gente deixa de receber, quanta gente deixamos de amar... O mundo é mundo porque reúne incontáveis características (e estas são feitas pelas pessoas). Cores, tons, línguas, bandeiras, sabores, tamanhos, pesos, sentimentos, ideais... É nesta pluralidade que se encontra a beleza da vida e, para bem vivê-la, é preciso aceitar as diferenças.



Homo ou heterossexual? Bíblia ou Alcorão? Israelita ou Palestino? Branco ou negro? O que importa! Todos constituem uma única raça: A raça HUMANA. Os contrastes que devem gerar a harmonia, a boa convivência. Portanto, esteja aberto ao novo, respeite as pessoas pelo que são e não pelo que escolheram. Agindo desta forma estaremos contribuindo para uma sociedade muito mais justa, igualitária e feliz. Basta querer.







Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui