Usina de Letras
Usina de Letras
18 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62388 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22545)

Discursos (3240)

Ensaios - (10442)

Erótico (13578)

Frases (50775)

Humor (20067)

Infantil (5484)

Infanto Juvenil (4802)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140866)

Redação (3319)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6231)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->São Cipriano, da capa preta -- 27/09/2013 - 10:01 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
S.Cipriano da Capa preta

Borishkó borijopi, fon! Era esta a expressão exata para se fazer

um bom feitiço. Descobrira-a Belinha num sonho. E desde então

fazia questão de pronunciá-la todo dia, sete vezes, para não

esquecer e para, na hora agá, fazer a coisa pra valer.

Não havia muita gente disposta a tocar num assunto desses no

entanto. Gente que tinha religião - e era quase todo mundo -

tinha pavor de feitiço e até de pensar nisso. Sobrava então o Zé

Vicentão, que deu a Belinha alguma introdução. Mas mais pra

frente não ia não, de medo de tomar ele próprio, um tropicão.

Como fazer então? A referência que tinha Belinha é que tudo se

completada com um livro de São Cipriano, ele famoso por seus

feitiços, diretos e sem enguiços. Deveria ter feito feitiço até para

entrar no céu, pois ao que consta, feitiço e religião não são de

andar mão em mão.

E mais: pra valer mesmo, pra ser autêntico, só o São Cipriano da

capa preta. O resto era treta.

Mas como achar um livro proibido pelo Vigário, temido pela

temente comunidade de cristãos?

As palavras introdutórias, que já tinha descoberto em sonho e

tanto feitiço bom e necessário a ser feito, e nada feito, justamente

por faltar o livro eleito. Mas que jeito?

Rezar, fazer tríduo, novena pra encontrar a tal obra em alguma

biblioteca esquecida? Não seria anular a intenção por meio da

oração?

Até que um dia - logo em Genebra, calvinista de quebra, quem

diria - fui encontrar a obra tão perseguida pela mana Belinha.

Capa preta, sim. E não só uma edição,m mas duas. Folheei,

folheei e de Belinha me lembrei. Só borishkó borijopi é que não

falei. Bem, falei. Mas falhei, pois o que era bom era justamente o

fon do final. De que me olvidara.

Ao sair da livraria, não achei a rua cheia de confete e serpentina,

tampouco vi a menina que para mim sorrisse. Mas o tempo,

comigo mesmo me disse, era de Ronnie Von.
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 9Exibido 401 vezesFale com o autor