Usina de Letras
Usina de Letras
12 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62153 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50555)

Humor (20023)

Infantil (5420)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140789)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6177)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Ancine, ou Ministério do Pensamento? -- 23/04/2007 - 10:55 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Ancine, ou Ministério do Pensamento?

por Editoria MSM em 20 de abril de 2007

Resumo: Como a nova atividade da Ancine é dificultar o acesso aos dados sobre o que é feito com dinheiro do contribuinte utilizado para produção de filmes, qual será seu próximo passo: reescrever o conteúdo das informações que ainda disponibiliza, ou apagá-las de uma vez?

© 2007 MidiaSemMascara.org

Como vêm alertando muitos leitores do Mídia Sem Máscara, a Ancine - Agência Nacional do Cinema - passou a não disponibilizar mais ao público em geral a informação sobre as verbas públicas destinadas a cada filme brasileiro finalizado ou em produção. O acesso a essa informação era feito diretamente através do site da agência mas, após a publicação de 3 artigos pelo Mídia Sem Máscara [*], o sistema foi retirado do ar.

É importante lembrar, contudo, que essas informações são públicas, e a Constituição da República Federativa do Brasil garante o acesso a elas, especialmente em seu inciso XXXIII do artigo 5º. Recomendamos, portanto, a todos os leitores interessados em saber quanto em dinheiro público tem sido destinado a cada filme ou empresa cinematográfica no Brasil que envie um e-mail para o Ouvidor-Geral da Ancine (http://www.ancine.gov.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=64), solicitando novamente a disponibilização das informações no site, como seria, aliás, dever natural dos agentes públicos envolvidos no setor. É possível também escrever para o suporte ao site da Ancine (http://www.ancine.gov.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=49).

Ressaltamos, entretanto, que a destinação de verbas públicas para a produção de filmes existe porque foi criada, votada e aprovada uma extensa legislação a respeito, que em seu conjunto encontra-se ativa e não dá sinais de que venha a ser modificada a curto prazo. A Ancine é um mero órgão regulador, não podendo ser responsabilizada pela péssima idéia de doar centenas de milhões de reais em verbas públicas a algumas dezenas de cineastas, responsabilidade essa que deve recair, especialmente, sobre nossos legisladores e governantes da hora, sempre dispostos a servir às celebridades esquerdistas que compõem nossa classe cinematográfica.


[*] Os artigos são: Os sócios de Bruna Surfistinha; O império contra-ataca e Comiseracine - os filmes que o brasileiro paga para não ver


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui