Usina de Letras
Usina de Letras
35 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62386 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22545)

Discursos (3240)

Ensaios - (10442)

Erótico (13578)

Frases (50774)

Humor (20067)

Infantil (5484)

Infanto Juvenil (4802)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140863)

Redação (3319)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6231)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
cronicas-->A Revolução dos Velhos -- 03/07/2006 - 14:08 (Nicola Aliberti) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Conheci um ancião diferente. Ele me dizia: " Nicola, não esquenta não, vou morrer mas vou levar uns três ou quatro comigo." Sábias palavras. Uma maneira diferente de pensar a velhice e a morte. É quase uma concepção revolucionária, melhor dizendo, terrorista da morte. Uma resistência primal e vingativa. O último gesto para purgar o mundo de alguns vermes. Se percebemos as condições dos idosos, o isolamento em que vivem, o nojo que provocam nos normais, o preconceito, então, entendemos as palavras do velho.

Dois escritores vasculharam os mistérios da velhice: Dino Buzatti e Albert Camus. Ambos perceberam as angústias da idade. A solidão, a dor, o afastamento e a indiferença social. Buzatti, em tom cético, denuncia a onipotência juvenil dos anos 50/60. No livro intitulado "Naquele exato momento", Buzatti mostra a difícil ultrapassagem da vergonhosa barreira da idade, a empáfia jovem e o desprezo que vitima o idoso. Seus contos oscilam entre o pessimismo e a busca de uma sinistra magia que parece mover a vida.
Albert Camus, o repatriado, mergulhou no estranhamento . Seu livro "O Avesso e o Direito" narra a história de três velhos: uma mulher que é esquecida na escuridão enquanto a família vai ao cinema; um homem que tenta conversar com jovens que não lhe dão a mínima e uma mulher que cria nove filhos com mão de ferro e morre agonizante. Em comum, a avançada idade dos personagens, o sentimento do nada, um racionalismo tétrico e nada belo. " De repente, ele descobre que amanhã será igual, e depois de amanhã, e todos os outros dias. E essa irremediável descoberta o esmaga."
Palavras nada reconfortantes sobre mais este tabu: ser velho. Não sou tão pessimista quanto os dois escritores acima. Nem tão pouco um otimista falastrão. Prefiro agir como o homem que citei no começo. Se sei que vou morrer, posso melhorar esta merda de mundo levando alguns cretinos comigo. Sublime e último gesto de vingança contra os que me oprimiram.
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 4Exibido 388 vezesFale com o autor