Usina de Letras
Usina de Letras
44 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Lula laico -- 21/05/2007 - 13:04 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Lula Laico

João Ubaldo Ribeiro (*)

O Globo, 20 maio de 2007

Nos dias que passaram, assistimos ao presidente se fartar de usar uma palavra que parece que ele não conhecia antes e está tratando como um brinquedo novo. Brinquedo esse do qual ele se julga mais do que merecedor, neste começo de ano já não tão começo assim e neste começo de segundo mandato tampouco tão recentinho assim.

Sim, porque o presidente que temos visto nas aparições públicas se porta como se não nos esperassem problemas graves pela frente e como se ele fosse um timoneiro de enorme perícia e grandes realizações, a navegar num mar de prosperidade.

Desculpando-me por não ir nessa, ouso dizer que não conheço grande realização nenhuma desse governo, notadamente nas reformas de que só faz falar. Daria muito trabalho e resistência, mas foi o que ele prometeu e não seria impossível cumprir, ao menos em parte. Somente uma delas, se bem feita, seria uma grande realização.

Mas a grande realização, no ver dele, é o Bolsa Família, que, no ver de outros, é um programa assistencialista, clientelista, nocivo e eleitoreiro.

Ele o chama de "programa social" e eu não chamo nem de obra de caridade, chamo de demagogia senhoradecaridade mesmo.

Tivemos a visita de Bento XVI e ele, com a alegria de quem paga (com nosso dinheiro e dos próprios "beneficiados") pelo apoio popular e conta com ele, parecia felicíssimo e aproveitou para fazer várias declarações em que usou a nova palavra, que adicionou às dezenas que já domina.

Era laico para lá, laico para cá, tudo mostrando que ele é presidente de todos os brasileiros (embora, pessoalmente, eu finja que não, quando estou em casa, tendo devaneios otimistas) e não somente dos católicos, como mostra sua atitude a respeito do aborto. Pessoalmente é contra, mas o Estado é laico e não pode aliarse à igreja ou seita nenhuma.

Tratou-se de um belo espetáculo de postura política. Receber bem o Papa foi, naturalmente, correto, mas estava claro que o presidente pretendia mostrar a todo mundo que tomara as atitudes de um chefe de Estado laico, tanto assim que, não sei se vocês notaram, limitou-se a cutucar o companheiro Papa para apresentar um ou outro ou para qualquer finalidade semelhante, mas, como vimos, não houve beija-mão. Bem, perguntarão vocês, por que observei esse fato? Seguramente, devo estar à beira de fazer algum comentário gerado pela má vontade e manchado por incoerência.

Sim, porque, como eu mesmo já disse, o presidente tinha de mostrar que é chefe de um Estado laico até o fim e não foi isso o que ele fez, até sendo um tantinho grosso e não indo acompanhar o visitante (o Papa, além de Papa, é também chefe de Estado) à sua despedida? Beijar a mão de alguém certamente não é gesto apropriado para quem quer mostrar isenção. Neste caso, como também já disse, havia a delicada questão do aborto, onde a atitude de magistrado tomada pelo presidente talvez fosse completamente desfigurada, se ele beijasse a mão do Papa, como é costume dos católicos que são apresentados a Sua Santidade e sonho dos católicos que não tiveram e nunca terão essa oportunidade.

Creio que o presidente não é evangélico.

Tampouco muçulmano, judeu ou budista. (Talvez, no fundo, seja mesmo é lulista, como muitos seguidores seus, alguns dos quais já deixaram de se dar comigo, em função de minhas insistentes blasfêmias e crimes de lesa-divindade.) Certamente foi criado como católico. Mas é também o presidente de muitos evangélicos e dos adeptos brasileiros de todas as outras religiões. Não era de se estranhar, portanto, que, assim à frente de um Estado laico, o presidente de todos não beijasse a mão de um líder religioso apenas da maioria, não de todos. E agora, aparentemente, eu venho com críticas a isso. Se ele tivesse dado o beija-mão, eu o criticaria pelas razões acima.

Como não deu, parece que vou criticálo também, porque já é conhecida minha "má vontade" em relação a ele.

Quer dizer, olhem aí o comportamento de certa imprensa, no caso a fração minúscula que me cabe. Se o presidente tivesse beijado a mão do Papa, seria criticado. Porque não beijou, também é criticado. Afinal, que quer esse pessoal? Quanto a esse pessoal em geral, só posso fazer suposições. De minha parte, digo que gostaria de menos gogó e mais ação. O governo, no mandato anterior, não fez nada, não cuidou da nossa infra-estrutura nem ostentou grandes iniciativas ou realizações, não fez nada mesmo, além de manter a situação e reagir a eventos inesperados ou fortuitos. Este mandato ainda não começou, com o tal PAC bradando pelo seu uso trocadilhado com o verbo empacar e nada de planos a projetos consistentes, a não ser, repito, no gogó e na repetição boba de "este país" isso e "este país" aquilo, "nunca na História" aqui e "em todo o mundo" ali, um festival de bazófias que parece nunca cessar.

E agora vem este colunista anti-Lula (não é verdade, não sou anti-Lula, tenho muitas coisas mais importantes contra as quais ser e ainda muitas mais a favor das quais ser) se queixando de uma besteira dessa, é muita falta do que falar. Discrepo, como diria meu finado confrade Houaiss. Discrepo porque existe não só a tradição católica de beijar a mão ou o anel do Papa. Beijar a mão de alguém é, universalmente, um gesto de respeito, veneração, admiração, até obediência.

A maioria de nós beijaria a mão de muito pouca gente, ou de ninguém.

Beijar a mão é tão simbólico e tão carregado de significados que até a expressão "beija-mão" foi criada em nossa língua por causa disso. Então por que, afinal, esta onda toda sobre Lula não ter beijado a mão do Papa? Eu explico. É que beijar a mão implica isso tudo que lembrei e há de ser o motivo pelo qual Lula não beijou a mão do Papa. Mas beijou com muito gosto a do dr. Jader Barbalho, não foi? Pois é.


(*) João Ubaldo Ribeiro é escritor.





Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui