Usina de Letras
Usina de Letras
68 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59358 )

Cartas ( 21241)

Contos (13190)

Cordel (10307)

Crônicas (22227)

Discursos (3164)

Ensaios - (9481)

Erótico (13492)

Frases (46819)

Humor (19333)

Infantil (4504)

Infanto Juvenil (3802)

Letras de Música (5489)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138480)

Redação (3063)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2428)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5576)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Entre Olavos... -- 31/12/2018 - 05:09 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
...se de Carvalho, ou Bilac,

...não empaque

...troque o filósofo de araque

...pelo vate de fraque

...e do baralho...





DELÍRIO



Nua, mas para o amor não cabe o pejo

Na minha a sua boca eu comprimia.

E, em frêmitos carnais, ela dizia:

– Mais abaixo, meu bem, quero o teu beijo!





Na inconsciência bruta do meu desejo

Fremente, a minha boca obedecia,

E os seus seios, tão rígidos mordia,

Fazendo-a arrepiar em doce arpejo.





Em suspiros de gozos infinitos

Disse-me ela, ainda quase em grito:

– Mais abaixo, meu bem! – num frenesi.





No seu ventre pousei a minha boca,

– Mais abaixo, meu bem! – disse ela, louca,

Moralistas, perdoai! Obedeci....
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 24Exibido 83 vezesFale com o autor