Usina de Letras
Usina de Letras
13 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62153 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50555)

Humor (20023)

Infantil (5420)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140789)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6177)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Livro "José Genoino - escolhas políticas" -- 05/06/2007 - 12:09 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
SE ARREPENDIMENTO MATASSE 04/06/2007 16:25

http://jc.uol.com.br/blogs/blogdejamildo/

Genoínio reconhece que errou na expulsão
de Heloisa Helena do PT


Do Congresso em Foco

Dois anos após ter deixado a presidência do PT, no auge do escàndalo do mensalão, o deputado federal José Genoino (PT-SP) admite, pela primeira vez, que errou na condução política e nas relações internas do PT.

Um desses equívocos, segundo ele, foi a expulsão, em 2003, da então senadora Heloísa Helena (AL) e outros três deputados petistas (Babá, Luciana Genro e João Fontes).

O mea culpa está na biografia autorizada "José Genoíno - escolhas políticas" (Centauro Editora), escrita pela professora Maria Francisca Pinheiro Coelho. Concluído ainda em 2005, o livro será lançado nesta segunda (4), em São Paulo.

"Acho que o processo que vivemos em 2003 que levou à expulsão de parlamentares também prejudicou a construção dessa pactuação. Eu sofri muito nesse processo. Eu não comemorei. Para mim, foi uma derrota a saída deles", diz o deputado, na parte final do livro, que reproduz três entrevistas feitas pela autora.

Os erros do PT, no entanto, não pararam por aí, na avaliação dele. "Acho que o partido devia ter tomado todos os cuidados de, ao governar o Brasil, mudar a forma de fazer política. [...] O fato de não termos iniciado com a reforma política nos debilitou muito", reconhece. "O partido não se preparou devidamente porque não definiu melhor o seu lado".

DISCRIÇÃO

As entrevistas são uma espécie de complemento da obra, que aborda a vida do petista desde o seu nascimento, em 1946, no interior cearense, até 2002, quando ele perdeu a disputa pelo governo de São Paulo para Geraldo Alckmin (PSDB).

O livro detalha a ida de Genoino para Fortaleza, a sua filiação ao PCdoB e a participação no movimento estudantil, que o levou para São Paulo; a ida para a guerrilha do Araguaia; as torturas e os cinco anos de prisão; a anistia e o retorno a São Paulo e, por fim, a chegada ao Congresso, em 1983, como um dos oito deputados eleitos pelo PT.

No mês passado, Genoino ocupou pela primeira vez a tribuna da Càmara para dar sua versão sobre o mensalão e dizer que foi "condenado previamente". "Sente-se que o mundo todo desabou sobre você e ninguém aparece para retirar os entulhos que o esmagam", discursou.

Apesar de se manter distante dos holofotes e raramente se pronunciar no plenário, o deputado ainda exerce grande influência na bancada do PT e tem recebido manifestações de apoio e respeito de parlamentares da oposição desde que voltou à Càmara. Mas o parlamentar expansivo e combativo de outrora deu lugar a um congressista discreto.

SEGREDO

Genoino conta no livro um segredo só revelado para a família depois de anos. É a filha que teve, fruto de uma relação extraconjugal, com uma militante do PT logo quando assumiu o primeiro mandato de deputado, em 1983. Genoino a manteve em segredo até 1999, quando contou o caso para a mulher e os dois filhos.

"Foi na época da campanha das Diretas. Não a registrei no primeiro momento. Ela ficou um tempo só com o nome da mãe. Ela me trouxe a menina para eu ver. Registrei logo após a Constituinte, em 1988", afirma. Segundo Maria Francisca, o deputado havia pedido para ela não contar sobre a filha, mas depois acabou liberando a entrada da história no livro.



Obs.: Bernardo Cabral, ACM, Renan, Genoino... Mais um touro pulou a cerca... (F.M.)




Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui