Usina de Letras
Usina de Letras
66 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60277 )

Cartas ( 21285)

Contos (13379)

Cordel (10353)

Cronicas (22252)

Discursos (3187)

Ensaios - (9686)

Erótico (13520)

Frases (48075)

Humor (19491)

Infantil (4785)

Infanto Juvenil (4140)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139175)

Redação (3099)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5772)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->Espelho -- 05/07/2020 - 08:05 (AROLDO A MEDEIROS) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Espelho

 

     Nascido no bairro Magalhães, na data de hoje
     Com votos da família de vida feliz
     Imitava o cantor, de vestuário exótico
     Sonhava ao fim do dia cansado de alegria
     Com as roupas bonitas feitas pela mãe
     O pai de pistom na boca e amor no coração
     Sorria timidamente e parecia ser feliz

 

     Eh, vida boa
     Quanto tempo faz
     Que felicidade!
     E que vontade de sair dançando novamente
     E de ouvir meu pai tocar nos bailes de carnaval (Bis)

 

     Num dia de tristeza vai me faltar, o velho garoto
     E falta lhe confesso que muito irá me fazer
     E me abracei aos livros pensei ser um dia
     Um professor para ensinar o que aprendi com o senhor
     Um dia tiraram o quadro negro da minha frente
     E sem ter mais a quem ensinar
     Hoje tento imitá-lo em tudo que faço

 

     Eh, vida à toa
     Vai no tempo vai
     E eu sem ter maldade
     Na inocência de criança de tão pouca idade
     Ficarei magoado com Deus por um dia querer levar meu pai (Bis)

 

     E assim crescendo um pouco, fui me criando com os meus
     Aprendendo na rua, na escola e no lar
     Um dia eu me tornei técnico eletricista e professor
     Em toda necessidade, e dinheiro para ganhar
     Até que um dia eu casei e família tive que sustentar
     E trabalhar de sol a sol, ou diriam, menos, menos
     Assim sem perceber eu era adulto já

 

     Eh, vida voa
     Vai no tempo, vai
     Ai, mas que saudade de nossa mãe
     Mas eu sei que lá no céu a Pedrinha tem vaidade
     E orgulho de seu filho querer ser igual seu pai
     Pois me indicou o caminho certo a seguir
     Eu tão habituado com as agruras do mundo
     Eu temo se um dia me machuco e não o tenho
     E o meu medo maior é o espelho (meu pai), se quebrar (Bis)     

Baseada na música de João Nogueira (Aroldo Arão de Medeiros)

Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 13Exibido 341 vezesFale com o autor