Usina de Letras
Usina de Letras
44 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Discordando do Mainardi -- 26/09/2007 - 09:21 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
DISCORDANDO DO MAINARDI

Nivaldo Cordeiro - 23/09/2007

Recebi por e-mail o link de uma gravação do programa Opinião Livre, tendo como entrevistado o jornalista Diogo Mainardi (http://br.youtube.com/watch?v=21JRgIcNVFM&mode=related&search=). Na entrevista o jornalista de Veja externa opiniões sobre Lula com as quais estou em franco desacordo. Ele aqui adota a linha de que Lula não passa de uma reencarnação de um coronel nordestino, que tem uma estratégia de manutenção do poder apenas para roubar, que Lula não defende qualquer ideologia que não aquela útil para manter-se no poder. Em suma, Lula é um político medíocre que em nada difere dos seus pares ao longo da história política brasileira. Segundo ele, Lula é como um político qualquer do PMDB.

Essa visão minimalista sobre Lula é já uma vitória da comunicação política do PT e dos estrategistas revolucionários que estão encastelados naquele partido. Conseguiram enganar até o brilhante jornalista. Se um gigante como Diogo Mainardi cai nessa esparrela, o que dizer do grosso da opinião pública relevante? Diogo erra por não ver que Lula - certamente um homem medíocre e sem escrúpulos, cuja moralidade está no nível inferior ao de um esgoto de latrina - se encaixa em um planejamento político muito mais amplo que vai além da política interna brasileira, deitando ramos em todo o Continente Sul-americano. É próprio desses partidos revolucionários a camuflagem com o objetivo de enganar a toda gente enquanto não detiverem o poder total. Um exemplo clássico foi o de Fidel Castro, que chegou ao poder se dizendo não comunista e vimos o que aconteceu depois.

Lula fez-se dirigente dessa organização política, cuja face mais conhecida é o famigerado Foro de São Paulo, por ter a habilidade única de ter votos, algo raro em políticos revolucionários. E esses votos permitiram o acesso a recursos financeiros, organizacionais, do aparelho de Estado brasileiro, de diplomacia, enfim de legalização de sua ação clandestina como a esquerda jamais tinha conseguido em nossa história. O comunismo está se instalando por aqui por inércia e sem oposição. Claro que esses votos são produto de uma bem sucedida estratégia de comunicação e de ação política montada desde os anos setenta, assentada na mentira política, envolvendo a conquista da mídia (que o Diogo Mainardi sublinha corretamente), da Igreja Católica, dos órgãos do aparelho de Estado, do material didático, do corpo discente de todo o País, de sorte que a coisa veio num crescente como em uma avalanche, redundando na sua eleição e subsequente reeleição para a Presidência da República. A coisa deveria ficar camuflada, mas é tão óbvia e tão idiota que chega a me espantar que Mainardi tenha deixado essa substantiva realidade de lado, reduzindo Lula e o PT à condição de político e partido "normais". Eles não são iguais aos outros partidos, eles estão fazendo a revolução, eles não entregarão o poder de forma democrática e se não houver a re-reeleição que eles querem eu não tenho um prognóstico favorável para o futuro imediato do Brasil. Eles só sairão do poder pela força.

Falta a Mairnardi esse senso de perigo que deveria ser despertado pela iminência dos acontecimentos trágicos que ameaçam o futuro imediato. O mesmo senso de perigo que vejo ausente na maioria dos brasileiros, sobretudo naquelas pessoas a quem caberia ter, como as elites económicas e políticas. Estamos a caminhar à beira o abismo sem nos darmos conta.

A entrevista de Mainardi é um emblema da alienação política que tomou conta do Brasil. Que Deus se apiede de todos nós.


Nivaldo Cordeiro

www.nivaldocordeiro.net


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui