Usina de Letras
Usina de Letras
13 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62153 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50555)

Humor (20023)

Infantil (5420)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140789)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6177)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->O Senado se autodestrói -- 11/10/2007 - 09:26 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O SENADO SE AUTODESTRÓ

Ailton Salviano - Estudante de Jornalismo (UFRN)

O historiador e ensaísta satírico, escocês Thomas Carlyle (1795-1881), certa vez comentando do ponto de vista histórico e concordando com a atitude do imperador romano César Augusto (18 a.C.) que diminuiu o número de senadores de mais de mil para 600, disse: "uma assembléia com mais de mil membros pode fazer apenas uma coisa - destruir".

Se vivesse no Brasil nos dias atuais, Carlyle certamente estaria estarrecido e comprovaria que o ato de destruição, inclusive do próprio senado, depende muito mais de ações corporativistas que do próprio número de senadores. Aqui eles são apenas 81 que pela Constituição (artigo 44) deveriam representar os Estados. Mas de forma egoísta alguns defendem cegamente seus interesses, atropelam os ditames democráticos e maculam a nossa Càmara Alta por onde passaram e estão tantos brasileiros ilustres.

Que pensam esses senhores? Estarão acima do bem e do mal que sequer temem as punições do judiciário?

Será que não sabem que pela TV são vistos e escutados nas suas verborréias por milhões de brasileiros? Os seus bate-bocas mostrados em horário nobre beiram a discussão torpe e abjeta dos botequins.

Amparados por uma legislação política anacrónica, alguns envolvidos nos debates jamais receberam um voto sequer, um sufrágio apenas. Isto me conduz à triste lembrança - a excrescência do senador biónico de um passado recente. Aqueles que entraram pela janela da suplência, não raras vezes, são os mais eloquentes e quando não encontram explicações para seus atos espúrios ainda arrotam: "É assim a democracia!"

Entristece-me, na condição de eleitor, assistir a algumas vozes de figuras notáveis do senado, que educada e heroicamente tentam ressuscitar a imagem da casa, serem abafadas e reprimidas por gritos quase histéricos, mais adequados aos ambientes de desavenças e rixas pessoais que aos parlamentos de discussões ideológicas onde são defendidos os interesses da sociedade.

O senado, nesses últimos cinco meses, deixou de ser a mais alta assembléia democrática da nação, local de discussão dos importantes temas das decisões políticas do país, para transformar-se num vergonhoso palco de teatro de bulevar onde são destaques, as ameaças e as chantagens pessoais.

Certamente, essa fração infecciosa do nosso senado age como se o país fosse feito apenas de analfabetos políticos de memória volátil que podem reconduzi-los ao cargo tantas vezes quantas eles desejarem. A apologia à ignorància parece que fez escola em nosso país. Aqueles que deveriam ser o exemplo da ética, da dignidade e da honra estão fascinados pelas mordomias que lhes oferece o cargo e querem mantê-las a qualquer custo.

A pátria, envergonhada, lamenta.



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui