Usina de Letras
Usina de Letras
38 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62134 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10329)

Erótico (13566)

Frases (50541)

Humor (20019)

Infantil (5414)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140776)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->A namoradinha do Planalto -- 15/10/2007 - 15:48 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A NAMORADINHA DO PLANALTO

Percival Puggina

WWW.PUGGINA.ORG

Proponho aos leitores uma reflexão sobre a indigesta pauta que vem dominando o noticiário nacional: Renan Calheiros, as acusações que contra ele se acumulam e a conduta dos envolvidos no processo político que sucedeu às denúncias da revista Veja.

Na frente da cena, tivemos o senador, suas relações empresariais, sua "namoradinha", o custeio das despesas decorrentes daquelas traquinagens, o excepcional valor do gado alagoano e por aí afora. Tudo muito constrangedor, acumulando indícios de importantes desvios de conduta pessoal. A grande mídia aferrou-se ao assunto e lhe conferiu tal relevo que acabou desatenta a algo bem mais grave atuando no fundo do palco.

Refiro-me às articulações promovidas pela base do governo para evitar a cassação de Renan. Escàndalo, escàndalo mesmo, de arrepiar os cabelos de qualquer pessoa decente, foi o que aconteceu ali. Que ninguém se iluda: o presidente do Senado Federal só não foi cassado porque o governo ficou ao seu lado direito, ao seu lado esquerdo, acima e abaixo. Cercou-o de proteção por interesse próprio, olhos postos na parceria do PMDB e nos votos que ele, Renan, comandava no plenário da Casa para a manutenção da CPMF.

Esse imposto tornou-se a Mónica Veloso do governo Lula. Ele é a fonte dos prazeres políticos federais, acintosos à miserável abstinência de estados e municípios. Para seu oneroso sustento pagamos todos. Por eles se vendeu e se vende, como boiada, a honra nacional. A pergunta que fica ecoando é a seguinte: sob o ponto de vista político, institucional e ético, o que é mais danoso? O pecado individual do senador ou a atitude colegiada do governo e seus teleguiados? O erro de um ou o erro de tantos? A conduta de Renan ou os afagos de Lula e dos seus, que o proclamaram suficientemente digno de dirigir a Càmara Alta da república?

O recente pedido de licença de Calheiros mostra, novamente, a imoralidade das manobras articuladas no outro lado da praça. Examine os fatos e perceba que a reversão dos comportamentos foi determinada pela reação da opinião pública. Poucas e boas - aliás, muitas e ótimas - passaram a ser ouvidas pelos senadores e senadoras ao retornarem aos seus Estados. Tornaram-se, todos, titulares de mandatos sem respeito e de uma função apontada como inútil. A essas alturas, até o sujeito da banca de jornais instalada no Senado, enquanto desempacotava fardos e fardos da revista Playboy, sabia que só a derrubada da CPMF restauraria a imagem da Casa. Aí, e só aí, Renan tornou-se desconfortável ao governo. A escada foi retirada e o senador, seguro no pincel, escorreu com a tinta. Naquele açude, caros leitores, o alagoano é mero lambari.



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui