Usina de Letras
Usina de Letras
39 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Governo e Petrobrás desinformam o público -- 25/02/2008 - 15:46 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Folha de S. Paulo

Editorial

Insegurança de Estado

Governo e Petrobras desinformam o público e alimentam teorias conspiratórias no caso do furto de dados sigilosos

O FURTO de dados sensíveis da Petrobras constatado no final de janeiro é uma história muito mal explicada. A desinformação alimentada pela estatal, resquício do tempo em que ali reinavam os militares, não é novidade nem parece conhecer limites: foram necessários seis dias para vir a público que houve duas incursões de larápios, e não só o arrombamento de um contêiner com computadores.

Após a nota lacónica do dia 14, pouco se ouvia da Petrobras a respeito do incidente -enquanto proliferavam especulações sobre complós e espionagem. Isso até o presidente Lula, numa cerimónia em Vitória (ES), determinar a José Sergio Gabrielli, presidente da estatal, que fosse "lá falar com eles" (jornalistas).
"Essa retirada de equipamento de sonda não é transporte de dados; o transporte de dados é feito on-line", minimizou Gabrielli. "Não tem nada a ver com o transporte físico de dados. Foi um procedimento absolutamente normal."

Soa acintoso um administrador qualificar como normal o transporte e o armazenamento inseguros de equipamentos com dados de caráter estratégico ou sigiloso. Em tela estariam informações sobre o campo de gás natural Júpiter, uma das maiores descobertas de reservas da história recente. Pouco importa se eram deslocadas máquinas ou dados -estes, nesta altura, já se encontram em mãos impróprias.

Como assinalou o colunista Janio de Freitas, a tentativa de trivialização da ocorrência destoa do que vem dizendo o primeiro escalão do governo federal: o furto representaria ameaça à segurança do Estado. Tarso Genro, ministro da Justiça, provou-se o mais loquaz defensor da tese de conspiração "geopolítica".

A ministra Dilma Rousseff, da Casa Civil, e o próprio Gabrielli, da Petrobras, negam que a ocorrência policial seja motivo para alterar a licitação de novas áreas de exploração. A insistência de setores do governo no caráter estratégico das informações furtadas, no entanto, mantém em cena, por ora sem sustentação nenhuma nos poucos fatos conhecidos, o espectro da cobiça internacional. É um prato cheio de carniça para dinossauros nacionalistas e estatizantes.

Ninguém ignora que existe espionagem na bilionária indústria do petróleo. No caso do furto da Petrobras, contudo, nem mesmo isso está caracterizado. Entende-se, mas não se aceita, que a empresa tente diminuir o estrago causado em sua reputação pela fragilidade do sistema de proteção de dados. Erguer uma cortina de fumaça pode oferecer-lhe uma miragem de proteção, mas também deixa no escuro investidores e contribuintes, aqueles que a sustentam.

Não é a primeira vez que o governo Lula aproveita fatos extraordinários no setor petrolífero para turvar o processo de abertura ao capital privado. No caso da descoberta de Tupi, foi prudente retirar algumas áreas do cronograma de licitações. Ao repetir-se, porém, esse padrão começa a abrir cunhas de suspeita sobre as reais intenções "estratégicas" e "geopolíticas" do governo na matéria.



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui