Usina de Letras
Usina de Letras
58 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60358 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22277)

Discursos (3193)

Ensaios - (9714)

Erótico (13520)

Frases (48249)

Humor (19549)

Infantil (4827)

Infanto Juvenil (4176)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139354)

Redação (3117)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5812)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->MOMENTO SEM TEMPO, NATUREZA MORTA -- 12/07/2001 - 02:35 (Adriano Gama) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Vestígios de instantes

Morria lento.;

É o vento que sensibiliza

A seca no tempo.;

É água e fogo a todo o momento.



É forte no dia,

No outro enfraquecia.;

Era o abrigo e ele servia,

E nem de passagem

A coragem fugia.



É insano e se repetia.



- É como viver ao contrário.

Sem cotidiano

Resmunga o diário,

Procurando o encontro

Da data e o horário

Que dissimula o presente

E permanece ausente

Entregando a carta sem destinatário.



É a saída que não volta.

É isso que me choca.;

Finito com infinita revolta,

Imenso perdido no tempo:

É a Natureza Morta.



É a expressão do sentimento

Que não tem pressa,

Mas tem o Momento...

O Momento que no Tempo,

Ele chora

Sobre a Natureza Morta.





© GAMA Adriano – Ilhéus, 2001
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui